Arquivo da tag: propaganda

Startup norte-americana cria freezer que faz ofertas personalizadas

A startup americana Cooler Screens criou um freezer capaz de personalizar ofertas. O aparelho é interativo, possui sensores de movimento, câmeras e sistema de e rastreamento ocular. O item já está em funcionamento em seis unidades da rede de farmácias Walgreens.

A peça identifica as pessoas por gênero, idade e percebe quais produtos que os consumidores estão olhando, avaliando ainda o tempo que permanecem em pé e a reação emocional a algum item. Ele coleta os dados em tempo real, utiliza um algoritmo para determinar os anúncios mais adequados para aquele momento.

O freezer é fechado por uma tela que mostra o produto está atrás da porta. Ele pode sugerir, por exemplo, um refrigerante “zero” para um homem que está olhando para as bebidas. O sistema é capaz de identificar preferências, como a dos homens pelos refrigerantes zero açúcar.

O equipamento também avalia o horário da compra. Se a pessoa realiza as compras no final da tarde, por exemplo, receberá sugestões como pizzas congeladas. As câmeras identificam os produtos que já estão com o cliente, para tentar convencê-lo a comprar outro alimento.

De acordo com a startup, os dados coletados não são armazenados. Mas ela deseja que os consumidores ajudem a abastecer sua base. Isso poderia ser feito, por exemplo, por meio do aplicativo da Walgreens, onde é possível indicar as preferências. Se um cliente incluir itens sem lactose em suas preferências, irão ser indicadas para ele ofertas destes produtos.

Segundo um estudo realizado pela Cooler Screens, 75% dos consumidores escolhem refrigerantes por impulso. A startup tem contratos com a Nestlé, Coca-Cola, Pepsi e outras 13 companhias.

Omo se reinventa

A Unilever realiza mudança em sua maior marca, após 24 anos. Desde de 31 de março, a OMO evolui e inicia sua modernização, reformulando toda a sua linha de produtos com muitas novidades para atender aos novos hábitos do consumidor no cuidado com as roupas.

OMO Multiação evolui é agora é OMO Lavagem Perfeita. Essa é a primeira de uma série de inovações programadas ao longo do ano, com a reinvenção do maior produto da Unilever no mundo e renovação de 100% do seu portfólio. Para comunicar a maior campanha de marketing de OMO nos últimos tempos, a MullenLowe Brasil criou uma campanha integrada, com lançamento nacional no último domingo.

A comunicação apresenta o novo OMO Lavagem Perfeita, reforça a modernização da marca e os benefícios, dentre eles o novo pó ultrafino de rápida dissolução, que não deixa resíduos; capacidade de remoção das manchas em uma única lavagem; e o cuidado para que as cores possam durar mais. Além disso, o produto é mais sustentável, contém mais ativos biodegradáveis e exige menos água no processo de lavagem, o que o torna um aliado do meio ambiente.

Iniciando com veiculação nacional em breaks comerciais do programa “Domingão do Faustão”, a campanha apresenta a grande novidade com o lançamento do filme “Despedida” e usa a melodia da música “Hoje”, para marcar presença e apresentar todos os benefícios do produto. A assinatura reforça: “O que já era OMO ficou ainda melhor”. Além disso, Evaristo Costa participa também de três filmes especiais para a apresentação do novo OMO Lavagem Perfeita.

No ambiente digital, a campanha contará com várias ações diferenciadas, dentre elas um unboxing em realidade aumentada no site www.novoomo.com.br, em que o consumidor consegue usar essa tecnologia para visualizar, em tempo real, a transformação da antiga caixa do OMO Multiação na nova embalagem de OMO Lavagem Perfeita para conhecer seus benefícios e assistir ao filme da campanha. Influencers mostrarão em suas redes sociais o unboxing do novo OMO e um time de youtubers criará conteúdo para a marca durante o ano.

Em termos de processos, esse trabalho é o primeiro do modelo “agile” da MullenLowe Brasil, realizado por meio de uma integração feita a quatro mãos com¬¬ agência e clientes trabalhando juntos no dia a dia.

Confira o vídeo abaixo:

Tabloides do The New York Post esgotam após anúncio da Supreme na capa

Supreme de novo

A busca por monetização nos jornais cresce cada vez mais. E em empreitada, os tabloides do New York Post foram esgotados na última segunda-feira (13) após sua capa ter sido estampada com uma propaganda da grife Supreme.

A peça tornou-se item de colecionadores e segundo dados do Post, algumas foram vendidas por até U$100,00. Em alguns lugares os jornais esgotaram cerca de três horas antes do previsto devido à febre.

Foi a primeira vez em que o jornal dedicou uma capa apenas para anúncio publicitário e essa parceria foi estabelecida quando a marca solicitou a postagem de ideias inovadoras para a sua divulgação.

http://adnews.com.br/publicidade/tabloides-do-new-york-post-esgotam-apos-anuncio-da-supreme-na-capa.html

A Converse e o poder da conversação

dssd

“Como manter as marcas icônicas relevantes em um mundo tão iconoclasta?”, pergunta Andres Kiger, vice-presidente de marketing da Converse para uma sala cheia na abertura do segundo do Engage Prague. Dessa maneira, o executivo começa sua apresentação e mostra para o público de diversos países como é possível que aquela marca de desejo há décadas continue atual e na mente do público.   

Para contextualizar, o profissional remonta ao início da publicidade e mostra como os padrões tradicionais não se conectam mais com os jovens. Corpos perfeitos, situações romantizadas e artistas sem ligação com a marca não serão mais aceitos. “Os jovens de hoje não aceitam passivamente a propaganda. Eles respondem na hora, conversam entre si e viralizam memes que têm mais popularidade que a campanha em si, como aconteceu com a Pepsi e a Kendall Jenner”, apontou o criativo.   

Na ocasião, a gigante do ramo alimentício convidou a celebridade para ser a segunda modelo na história da marca para protagonizar um filme. Diante de um papel que só havia sido de Cindy Crawford, a estrela da familia Kardishian atua em um vídeo em que ela sai de uma gravação de fotos, vai até uma manifestação, entrega uma lata de refrigerante para um policial e faz a massa de manifestantes vibrar com o desfecho.  

Apoiado em padrões de muitos anos atrás, o comercial ao invés de sucesso rendeu ruídos e uma resposta avassaladoramente ruim do público. Por isso, o executivo defende que as “marcas icônicas não servem mais para oferecer benefícios, recompensas ou inovações técnicas. Elas devem se integrar de maneira intrinsíca à cultura que estão relacionadas. A realidade é que o mundo mudou e os consumidores estão descontentes com as marcas”.   

Como criar conversas positivas  

Comunicar marcas em um tempo que tudo vira meme é uma tarefa difícil. Para isso, segundo Kiger, é necessário se alicerçar nos momentos marcantes que envolvem as empresas, as pessoas que realmente a usam e os influenciadores que autenticamente gostam do produto.  

Não há mais espaço para que os rostos de empresas sejam estampados por mascotes e uniformes. O ideal é que elas se cerquem da realidade das pessoas. Convidem grafiteiros, músicas de estilos específicos e incentivem eventos que determinado público adora. 

“Parece irreal acreditar que as marcas permeiam tantos momentos, mas vou contar para vocês que um dos eventos mais legais que participei foi a Copa do Mundo. Me diverti muito no Rio de Janeiro e em quase todas as fotos que tirei nas portas dos estádios aparece o logo da Coca-Cola. Na hora não percebi, mas ela ficou intrinsicamente ligada de maneira positiva em minha vida”, explica o americano.  

Da mesma maneira que as marcas ocupam os grandes eventos sociais, elas também estão nas histórias de muita gente. Para exemplificar, quem não se lembra do primeiro encontro com uma pessoa amada o tênis que ela vestia? Nisso se apoia o marketing proposto por Kiger.  

“Esse menino da foto utilizada nas redes da Conversa foi tirada quando eu andava pela rua e vi um menino tão feliz. Parecia que acabava de conhecer a primeira namorada. Pedi para tirar uma foto dele e para ele contar a sua história. Entendemos a importância de mostrar algo verdadeiro e no final do dia o que tentamos criar são comunidade de amigos que conversem de maneira orgânica sobre um ponto em comum: a marca” 

Usuários do WhatsApp querem conversar com as marcas

zap

A mais recente pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre mensageria móvel, patrocinada pela Infobip, constatou que os usuários brasileiros do WhatsApp querem conversar com as marcas, mas 38% deles podem abandonar o aplicativo se receber mensagens de spam das empresas. Esta ameaça deve ser levada a sério pelas companhias, se não quiserem ter problemas com os usuários da principal plataforma móvel de mensageria entre os brasileiros: o aplicativo está em 96% dos smartphones e quase a totalidade dos usuários (98%) declara que usa o app todo dia ou quase todo dia.

Mesmo com uma queda de 2 pontos percentuais em relação à pesquisa feita em janeiro do ano passado (de 98% para 96%), o WhatsApp se mantém na liderança entre os aplicativos de mensageria móvel no país, seguido pelo Facebook Messenger (76%), Telegram, com 15%.

Quando o assunto é o serviço de mensagens de texto, o SMS (fora do WhatsApp) ganha destaque entre as empresas na sua comunicação com usuários, sendo o recurso mais usado para o envio de mensagens pelas marcas e empresas, envolvendo o envio de notificações automáticas aos seus clientes, alerta de vencimento de contas, cobranças, entre outros assuntos. Mas, se usuários de smartphone usam pouco o SMS na troca de mensagens com amigos: 24% dos entrevistados, eles também reduziram bastante o uso do WhatsApp nas mensagens de voz: em janeiro do ano passado era 97%, agora 87%.

Popularidade do WhatsApp ameaçada?

O Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre mensageria móvel aponta que, em determinadas circunstâncias, seu público está disposto a trocá-lo por outro aplicativo de mensageria. Por exemplo: 70% dos usuários ativos mensais (MAUs, na sigla em inglês) afirmam que parariam de usá-lo se o serviço se tornasse pago. E 38% o abandonaria se começassem a receber spam. O seu aspecto social também é importante: 38% largariam o WhatsApp se seus melhores amigos e familiares mudassem para outro app. Há, entretanto, 14% de fãs do WhatsApp que afirmam que não abandonariam o aplicativo por nenhuma dessas três razões.

Brasileiro participa de 5,3 grupos de WhatsApp, em média

Os grupos de WhatsApp são os fóruns de discussão dos brasileiros. Cria-se grupos para quase tudo: amigos de faculdade, pais e mães de alunos, colegas de trabalho, de negócios etc, e muito tempo é gasto para ler e responder mensagens nesses canais de comunicação coletiva.  Segundo pesquisa, que contou com o patrocínio da Infobip, cada usuário brasileiro de smartphone participa ativamente, em média, de 5,3 grupos de WhatsApp. Foi considerada como participação “ativa” na pesquisa a leitura ou o envio de mensagens pelo menos uma vez por semana dentro do grupo. O hábito é mais comum entre homens (5,6 grupos) do que entre mulheres (4,9 grupos). E é mais popular entre pessoas com maior renda, como aquelas das classes A e B (6,4 grupos), do que entre aquelas das classes C,D e E (4,9 grupos). A idade também faz diferença: usuários com 50 anos ou mais também participam, em média, de 4 grupos.

Maioria aprova comunicação com empresas. Ponto para WhatsApp Business

O WhatsApp Business foi lançado oficialmente em janeiro de 2018, para pequenas e médias empresas, com utilização inicialmente gratuita, enquanto são realizados testes para uma versão mais robusta, cujo lançamento é esperado para os próximos meses.

Diante deste movimento do WhatsApp, foram adicionadas nesta edição do Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre Mensageria Móvel algumas perguntas que ajudam a entender melhor as perspectivas para essa nova fase da operação do aplicativo de mensageria mais popular do Brasil.

A primeira descoberta é que o usuário brasileiro já está acostumado a se comunicar com empresas através do WhatsApp, mesmo antes da chegada do WhatsApp Business. Para ser preciso, 55% dos usuários ativos mensais (MAUs) do WhatsApp no Brasil declaram que utilizam o aplicativo para se comunicar com marcas e empresas. É uma proporção maior que aquela verificada no Facebook Messenger (51%) ou no Telegram (48%). E note-se que o Facebook Messenger foi aberto para empresas há dois anos e vem sendo experimentado por diversas grandes marcas de consumo de massa, como Coca-Cola, McDonald’s e várias outras.

Em geral, são profissionais liberais e pequenos estabelecimentos que vinham fazendo uso do WhatsApp, como padarias, pizzarias, salões de beleza, profissionais liberais etc. Agora, é esperado que a maioria migre para o WhatsApp Business, no qual podem se cadastrar com uma linha fixa em vez de móvel e com acesso a algumas ferramentas extras, como estatísticas de comunicação e envio de mensagens automáticas.

Nesta edição do Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre Mensageria Móvel foram entrevistados 2.007 brasileiros que acessam a Internet e possuem telefone celular, respeitando as proporções de gênero, idade, renda mensal e distribuição geográfica desse grupo. As entrevistas foram feitas on-line ao longo de janeiro de 2018. Esta pesquisa tem validade estatística, com margem de erro de 2,2 pontos percentuais e grau de confiança de 95%, é um trabalho independente produzida por uma parceria entre o site de notícias Mobile Time e a empresa de soluções de pesquisas Opinion Box, e conta com o patrocínio da Infobip, empresa que opera uma das maiores plataformas próprias de mensageria e comunicação do mundo.

O Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre Mensageria Móvel está disponível para download em http://panoramamobiletime.com.br/

http://adnews.com.br/internet/usuarios-do-whatsapp-querem-conversar-com-marcas.html

Instagram permitirá 3 anúncios sequenciais no Stories

 0
zxc

Uma das grandes discussões atualmente é como combinar conteúdo pertinente com anúncios atrativos. Para trabalhar novos formatos publicitários e testar o quanto de propaganda o usuário aceita ver, o Instagram anuncia hoje (01) um novo formato de anúncios no Stories que permitirá a publicação de até três peças sequenciais de propaganda. Até hoje era possível publicar apenas uma.

Inicialmente, o mecanismo estará disponível para algumas marcas ao redor do mundo. A Renault será a primeira marca a testar a novidade no Brasil. Outros participantes do lançamento incluem Coca-Cola no México, Gap, Netflix e Paramount.

Possibilidades

Com a mudança, a empresa de Mark Zuckerberg aposta que os anunciantes poderão explorar as tendências que já são populares no Stories, incluindo:

1 – Storytelling sequencial: produzindo capítulos com pedacinhos de conteúdo que são mais fáceis de consumir

2 -Stories multimídia: produzindo um mix de fotos e vídeos para adicionar camadas e profundidade

3 – Agrupamento temático: mostrar conteúdos da mesma categoria em uma mesma história

Exemplo de uso

Até o momento, uma das primeiras marcas a usar o novo modelo foi a Coca do México. Confira abaixo seu anúncio de 30 segundos veiculado no aplicativo e voltado para o mercado latino:

Ao disponibilizar até três peças de mídia nos anúncios do Stories, estamos ampliando a flexibilidade criativa na produção de conteúdo para os mais de dois milhões de anunciantes no Instagram e permitindo que aproveitem melhor os hábitos que já fazem parte da nossa comunidade.

Com esse conteúdo adicional surgem diversas possibilidades, como um estúdio de produção criando suspense em torno de um anúncio para seu próximo filme ou um varejista apresentando três looks diferentes com o mesmo casaco de inverno. Estamos ansiosos para ver de quais maneiras criativas nossos anunciantes nos surpreenderão usando esse formato de anúncio no Stories.”, afirmou Susan Rose, diretora de marketing de produto para o Instagram.

http://adnews.com.br/social-media/instagram-permitira-3-anuncios-sequenciais-no-stories.html

Facebook faz lista com insights para quem anunciará produtos na Páscoa

pascoa

De acordo com dados do Facebook, 46% das conversas sobre a Páscoa acontecem na semana do evento e a procura por ovos aumentou 16% no último ano. Quem atua neste mercado sabe como é importante se planejar e traçar um plano de marketing. Estar preparado pode garantir melhores resultados nas redes e, consequentemente, mais dinheiro no bolso.

Aqueles que produzem ovos e outras lembranças no período conseguem ampliar o alcance dos seus produtos e incrementar suas vendas com investimentos baixos, à partir de 1 dólar. Para começar a fazer campanhas na plataforma, basta ter uma página.

A seguir, o Facebook reuniu algumas dicas importantes que podem ajudar marcas e anunciantes a se prepararem para a Páscoa:

  1. Descoberta: faça com que as pessoas descubram sua marca e seus produtos antes da Páscoa;
  • Entenda quais são os assuntos de interesse do seu o público, adotando uma mensagem mais assertiva no Facebook e Instagram. Desta maneira, o resultado da campanha pode trazer mais reconhecimento para sua marca;
  • Explore os diferentes recursos e ferramentas disponíveis nas plataformas. Cada tipo de formato de anúncio utilizado pode resultar em uma chance maior de prender a atenção do público;
  1. Consideração: durante o período até a Páscoa, incite o desejo de compra do consumidor ao impulsionar ações que alinhem seus anseios com os objetivos de negócio da marca;
  • Escolha formatos de anúncios que conquistem a atenção do consumidor e aumentem a chance de gerar interações entre as pessoas e a marca;
  • Dicas do Facebook para criar anúncios usando apenas o celular podem ser encontrados no Mobile Studio.
  1. Compra: para aumentar suas vendas na semana da Páscoa, destaque os produtos e as ofertas que estejam dentro dos objetivos traçados na etapa anterior;
  • Mantenha o relacionamento construído com o público anteriormente, podendo assim impactar novamente as pessoas que demonstraram interesse na marca;
  • Não limite a criatividade e traga uma variedade de anúncios e produtos, seja nas descrições ou nas fotos. Conteúdos criativos tendem a aumentar a chance de conversão.

http://adnews.com.br/negocios/facebook-faz-lista-com-insights-para-quem-anunciara-produtos-na-pascoa.html

A antiexperiência e o usuário no controle: o que revela a proliferação dos adblockers

blocks

Nesta semana, começa a funcionar o bloqueador de propaganda nativo do navegador Google Chrome chamado White Filter. Inicialmente disponível nos EUA, Canadá e Europa, o novo recurso não irá bloquear todos anúncios como adblockers tradicionais, mas sim aqueles considerados intrusivos. Ou, em outras palavras, irrelevantes e que atrapalham a experiência de navegação do usuário.

A deliberação do Google Chrome não é apenas uma vitória do consumidor. Mais do que isso, ela é uma derrota dos anunciantes que não entregam boas experiências. O estabelecimento de uma função que bloqueia anúncios impertinentes deve ser visto como uma oportunidade de as marcas investirem na tentativa de entregar experiências digitais cativantes, com comunicações relevantes.

O avanço e acesso à tecnologia, ao mesmo tempo que empoderou clientes no relacionamento com anunciantes, abre infinitas possibilidades para as empresas. Por meio dela, hoje, já é possível estabelecer processos e estratégias – com grande assertividade – para personalizar mensagens e entregar uma comunicação verdadeiramente relevante ao consumidor na hora certa, no contexto perfeito e pessoal.

Nós consumidores gostamos de ser compreendidos e conhecidos. Isto é… experiência! Como aquela que nossos pais ou nós mesmos, no século passado sobretudo, tínhamos ao ir à venda mais próxima de casa, quando a relação vendedor-consumidor tinha nível de intimidade que nos fazia fieis àquela loja.

A luta pela experiência se torna ainda mais fundamental quando se nota ainda mais formas de controle pelo usuário no acesso ao conteúdo digital. Basta observar a crescente demanda por serviços como Spotify e Netflix, que dão a opção de assinatura para justamente não haver a quebra do conteúdo por alguma publicidade. Novamente: é o avanço da tecnologia empoderando o consumidor. Ele pode decidir o que quer e não quer ver. Quando e onde. Na mesma linha, segue o advento dos adblockers.

Apesar de o usuário ter cada vez mais o controle sobre como e o que deseja ou não acessar, é no bom aproveitamento dos espaços de publicidade em display – inclusive junto a plataformas de vídeo – que ainda residem boas oportunidades de os anunciantes serem genuinamente relevantes na comunicação com seus consumidores.

Para a relevância, recursos tecnológicos. Inclusive, com soluções – integradas nativamente a softwares de analytics, segmentação de audiência e testes A/B – que permitem configurar, por exemplo, uma frequência de campanha cross-channel (ou seja, incluindo redes sociais e programática) personalizada. São artifícios de alta tecnologia ao alcance das marcas que viabilizam a entrega de experiências de consumo incríveis em diferentes etapas da jornada.

É bem verdade que as formas de controle tendem a ser cada vez mais disponíveis e acessíveis ao consumidor. Ele tem o discernimento de quando ou não o exercer – sobretudo contra a antiexperiência. A batalha a ser vencida não é sobre as maneiras de o usuário controlar o conteúdo, mas sim sobre entregar experiências incríveis no vasto campo de oportunidades que é a publicidade digital – com criatividade, tecnologia e recursos humanos que saibam utilizá-la com eficácia.

Fernando Teixeira é head de advertising da Adobe para a América Latina

http://adnews.com.br/internet/antiexperiencia-e-o-usuario-no-controle-o-que-revela-proliferacao-dos-adblockers.html

Twitter lança anúncio em Vídeo In-Stream no Brasil

play

Chega ao mercado brasileiro o anúncio em Vídeo In-Stream. Disponibilizado pelo Twitter, o formato de publicidade em vídeo, permite aos anunciantes associarem suas marcas a um conteúdo premium de maneira segura e em escala. Além disso, a ferramenta também atua levando em consideração o público-alvo da campanha e os assuntos de interesse do consumidor a ser impactado.

 
Os anúncios da marca são veiculados em vídeos criados por parceiros produtores (que não necessariamente são digital influencers, mas perfis que já falem, de forma embasada, sobre o recorte em questão) de conteúdo nos segmentos de entretenimento, esportes e notícia, divididos em 15 categorias. Os anúncios são exibidos antes do início dos vídeos dos parceiros (pre-roll) selecionados de acordo com o perfil indicado pelo anunciante.
 
Com o aparato, as marcas têm a oportunidade de participar das conversas em tempo real na plataforma a partir dos diferentes conteúdos em vídeo assistidos pela sua audiência. Além disso, o fato de os vídeos disponíveis para receber anúncios serem produzidos por parceiros do Twitter garante que a marca esteja atrelada a um conteúdo de qualidade e seguro.
 
Renata Altemari, gerente de soluções de vídeo do Twitter para a América Latina explica a ferramenta: “O anúncio em Vídeo In-Stream é a única solução disponível do mercado no formato pre-roll no feed de notícias do usuário. Ele alia conteúdo premium a um ambiente em tempo real permitindo que as marcas alcancem uma audiência altamente qualificada e segmentada. Dessa forma, os anunciantes têm a segurança de que os vídeos aos quais estarão associados são relevantes para o seu público-alvo sem riscos”. “Além disso, o investimento do anunciante é dividido entre Twitter e o parceiro, que tem uma nova maneira de monetizar o seu conteúdo.”
 
O produto, lançado nos Estados Unidos em 2017 e já disponível em alguns mercados, passou por uma fase de testes no Brasil, com anúncios de P&G (@PG_Brasil) e Mastercard (@MastercardBR) — com as agências iProspect e WMcCann, respectivamente.
 
Já para Bárbara Régis, gerente de mídia da P&G, ter mais uma possibilidade de fazer campanhas para uma audiência influente, receptiva, atenta e ainda de forma atrelada entre suas marcas próprias e conteúdos de qualidade e brand-safe com anúncios em escala, é um “ganho para nós e para o mercado”. Régis cita a campanha criada por Old Spice (@Lobo_OldSpice) com o anúncio em Vídeo In-Stream que teve métricas positivas. O material alcançou 3,2 milhões de visualizações com 100% viewability aferido por parceiro de mensuração”, garante.
 
O Twitter já conta com parceiros no país cujos vídeos podem vir acompanhados dos anúncios e trabalha constantemente para atrair mais produtores de conteúdo premium a este seleto grupo. Entre os publishers que já fazem parte do rol de parceiros selecionados está, por exemplo, o Corinthians.
 
“O Twitter é um dos nossos grandes parceiros de conteúdo. A relação entre o clube e a plataforma é duradoura e positiva. Com este novo passo, além da entrega gigantesca que o Twitter nos oferece, criamos uma nova fonte de receita para o Corinthians. Tivemos o privilégio de participar da fase de testes e o resultado foi extremamente satisfatório”, diz André Stepan, gerente de conteúdo do Corinthians.
 
Para oferecer dados precisos sobre os resultados dos anúncios de vídeo, o Twitter mantém parcerias globais com provedores de métricas terceirizados líderes do setor. Os anunciantes podem ter acesso a estudos e informações qualificadas sobre o impacto que as campanhas têm na plataforma em relação a viewability e brand-effect, entendendo a influência da publicidade no público-alvo, o resultado da mídia e o alcance das mensagens na audiência certa.
 
Em estudos realizados pelo Twitter com a Nielsen, notou-se que os consumidores que viram anúncios em vídeo no Twitter eram 50% mais propensos a conhecer uma marca, 14% mais favoráveis a essa marca e com uma intenção de compra 18% maior do que aqueles que não estavam expostos a esse tipo de anúncio.

Kantar aponta as tendências de social media em 2018

fgsa

O que esperar das mídias sociais para este ano? De acordo com estudo global da Kantar Media, a maturidade digital e a consolidação de algumas tecnologias parecem ser tendências para os próximos meses.

Novos formatos de conteúdo, campanhas mais contextuais e personalizadas, a evolução da inteligência artificial, realidade alterada e fake news estão entre as previsões.

A instituição acompanha a evolução desse universo e apresenta o estudo “As Tendências das Mídias Sociais para 2018. Confira abaixo os principais insights do estudo:

Novas tecnologias oferecem diversas oportunidades para as marcas

Estamos entrando em uma grande revolução tecnológica, porém, as marcas costumam se esquecer de que essa revolução é estritamente ligada à evolução do conteúdo. Realidade aumentada (Augmented Reality, AR), realidade virtual (Virtual Reality, VR) e a internet das coisas (Internet of Things, IoT) não são nada mais que uma ponte, criada pela tecnologia, entre o real e o virtual.

Em outras palavras, o conteúdo será o elo entre objetos, pessoas e tecnologia – isso quando não se misturar à própria experiência (virtual). Entretanto, o conteúdo terá que superar novos desafios, dependendo dos canais. A IoT precisará ser convertida em benefícios reais para os consumidores. Por exemplo, um refrigerador conectado pode fazer sugestões de menu com base nos alimentos disponíveis. Para AR, VR ou tecnologias mistas, a ênfase será na experiência, em vez de em como a tecnologia pode ser aplicada aos produtos.

Assim, para uma marca de carros, será mais interessante aproveitar os acontecimentos de uma corrida cheia de emoção do que mostrar uma vista em 360° do interior do carro.

O crescimento da inteligência artificial

Até pouco tempo, podíamos apenas sonhar com máquinas dotadas de inteligência humana [IA]. Agora, a realidade está cada vez mais próxima da fantasia, o que criou uma batalha na indústria da tecnologia em torno da inteligência artificial. Os computadores já fazem cálculos com muito mais velocidade que os seres humanos, e sem erros.

Além disso, a memória dos computadores é altamente confiável e talvez ilimitada. Eles já conseguem até criar, na hora, a playlist perfeita para seu próximo churrasco. Toma essa, cérebro humano!

Apostando alto na realidade alterada

Realidade aumentada (AR), realidade virtual (VR) e até mesmo realidade mista (Mixed Reality, MR) são os assuntos do momento – mas ainda estão em nichos, e precisam de uma imagem mais amadurecida.

Sua adoção em massa exige um ponto de virada que ainda não foi alcançado, embora o sucesso do Pokémon GO, em 2016, tenha sido um belo aperitivo para o grande público. Mas as coisas estão indo no caminho certo, com diferentes iniciativas.

As redes sociais querem montar sua programação de conteúdo em vídeo

Falamos da importância do formato de vídeo e do motivo pelo qual ele é importante: ele gera interação, e interação promove engajamento. E ainda que se fale muito sobre vídeo ao vivo, ele não é o objetivo final, mas sim o resultado que essa ação irá gerar.

Players como Facebook, Twitter e Snapchat estão se adaptando a essa nova realidade e buscando desenvolver um novo modelo de programação em vídeo, algo que navegue entre o modelo de TV convencional, o streaming e serviços de vídeo on-demand, como Netflix.

Também fala-se muito na criação de um modelo que seja algo semelhante aos sites Danmaku, ou “metralhadora”, como Acfun e Bilibili, que são muito populares na China e incluem a exibição de comentários em tempo real na tela.

A publicidade em mídias sociais está inspirando novas experiências com anúncios

A publicidade digital (principalmente a social) esteve nas manchetes em 2017. Os principais pontos de controvérsia: segurança das marcas, ausência de padrões para a visibilidade de campanhas e falta de transparência na verificação de indicadores de desempenho por terceiros.

A publicidade móvel do Facebook tem novas possibilidades no futuro, principalmente agora que ficou mais difícil obter tráfego social orgânico. O objetivo do algoritmo do feed de notícias do Facebook é priorizar cada vez mais as publicações de amigos em relação às de outras fontes.

Portanto, se alguém curtir a página da sua marca, suas publicações não terão tantas visualizações orgânicas, a não ser que o usuário opte por ver as suas publicações no feed de notícias. Consequentemente, as empresas não terão alternativa que não seja publicar anúncios.

Dê um gás à sua marca com o marketing de influenciadores

A China foi pioneira nessa área, com o boom de líderes de opinião importantes (Key Opinion Leaders, KOLs) chineses, que podem ser extremamente influentes. As marcas ainda os usam, tentando aproveitar sua enorme popularidade on-line para aumentar sua visibilidade e gerar vendas.

Hoje em dia, as estrelas das mídias sociais chegam a criar suas próprias marcas de moda. Os fãs podem comprar os produtos diretamente on-line enquanto conversam com a personalidade nas mídias sociais.

Outros formatos interativos podem ganhar destaque em 2018

Vamos começar esta tendência falando de como o formato de vídeo (e suas variações, como o vídeo Live 360) é popular. Já se falou tanto disso que o assunto parece até um pouco batido, mas a questão interessante é por que ele é tão popular e o que está por trás disso – em outras palavras, uma visão global.

O modelo de receita de muitas redes sociais é baseado em anúncios. Para vender anúncios, você precisa trazer pessoas à plataforma e fazer com que elas fiquem na lá o máximo possível. E para fazer com que elas fiquem na plataforma, elas precisam estar envolvidas, se divertindo.

Home assistants digitais, como Amazon Echo e Google Home, juntamente com outras ofertas de IoT, como carros inteligentes, estão criando novas possibilidades de áudio para as marcas. Esses formatos de áudio permitem que os anunciantes cheguem ao público em locais onde a conectividade é um problema. Talvez por isso o Facebook tenha lançado o Facebook Live Audio.

Se você acreditava que as mídias sociais seriam o fim da vida privada, pense nisso: de todas as gerações, os indivíduos da Geração Z exprimem o maior desejo de proteger seus perfis de dados pessoais.

A geração z luta por privacidade

Muitos usam pseudônimos para evitar ser encontrados em pesquisas on-line e até mesmo criam contas “rinsta” (reais) e “finsta” (fake, ou só para conhecidos) no Instagram. Além disso, esses adolescentes tão reservados usam aplicativos como o Vaulty, que permite aos usuários ocultar fotos e vídeos.

Existem também as redes sociais “incógnitas”, como Sarahah, Anonyfish e Minds.com, com as quais os usuários podem se expressar anonimamente. Se ainda há dúvidas quanto à influência da Geração Z e sua busca por privacidade, considere isso: o aplicativo Sarahah chegou ao nº 1 da App Store em 30 países…

Fake news – o lado obscuro da web está sob ataque!

Fake news (ou notícias falsas) ainda é um assunto quente e as mídias sociais sofreram muito com essa tendência destrutiva. A pesquisa “Trust in News” (confiança nas notícias) da Kantar revelou que as mídias sociais são a fonte de notícias com menor confiança do público, com apenas 33% de aprovação.

Sendo assim, fazer com que o algoritmo do feed possa combater as notícias falsas se tornou uma grande prioridade das gigantes sociais para 2018.

Uma convergência de mídias sociais transforma a China em um império

A convergência de mídias sociais e experiência do usuário chegou à sua Era de Ouro. De acordo com o relatório “Chinese Social Media Landscape” (O panorama das mídias sociais na China), da Kantar Media, uma série de plataformas chinesas, como Weibo, WeChat e QQ estão aperfeiçoando a união entre comércio social, comércio móvel e “Pan-Entretenimento”.

Com mais de 800 milhões de usuários ativos por mês, o WeChat é um dos muitos bons exemplos da presença da internet móvel na China. Por isso, muitas marcas e varejistas estão se conectando com os clientes nos próprios ambientes de aplicativos sociais e deixando de lado os aplicativos móveis para vender diretamente aos consumidores.

http://adnews.com.br/social-media/kantar-media-aponta-tendencias-em-social-media-deste-ano.html