Arquivo da tag: pagamento pelo smartphone

QR Code e as possibilidades na publicidade

Criado na década de 1990, o Quick Response Code, mais conhecido pelo nome QR Code, baseia-a em um gráfico de duas dimensões (2D), capaz de, quando lido pela câmera de um celular, trazer à tona informações, como páginas da internet. As funções dessa tecnologia são múltiplas. Se na mídia impressa, por exemplo, pode revelar conteúdo extra, no mercado publicitário, é capaz de trazer, via embalagens, TV, pontos de venda e outdoors, as promoções e os detalhes de uma campanha. O QR Code, mais do que assumiu o papel de uma ferramenta de comunicação, passou a auxiliar na divulgação de marcas e no estreitamento da relação com os consumidores.

O QR Code permite a conexão entre o off-line e online (crédito: Pixabay/Pexels)

Segundo Edson Sueyoshi, vice-presidente de tecnologia e produção da R/GA, o QR Code ganhou, ainda mais, protagonismo no ano passado, com o início da pandemia do novo coronavírus e a ascensão das lives de entretenimento. Além disso, no Brasil, afirma João Vicente, head of growth strategy da Sapient AG2, a criação do mais novo meio de pagamento Pix, que promete realizar transferências em até dez segundos sem a interferência de intermediários, é mais uma das ações do mercado que tem ajudado a popularizar o QR Code. Por meio dessa opção de transação, é possível definir um valor fixo e usar o código em diversos pagamentos, como uma espécie de etiqueta do produto, e há a alternativa de inserção do valor pelo pagador. Mas, Edson destaca que “a familiaridade das pessoas ao uso da tecnologia já vinha num movimento crescente pré-pandemia, com carteiras digitais, ativadas nos pontos de venda”.

“Na publicidade, as possibilidades são infinitas, além das lives”, diz o head of growth strategy da Sapient AG2. Em 2028, quando a Nike abriu sua primeira loja Nike Live, em Los Angeles, por exemplo, foi concebido um armário inteligente com QR Code, responsável por dar vida a um sistema de reserva e retirada instantânea para membros do aplicativo NikePlus. Na TV, é possível encontrar campanhas de diversas marcas na grade. À exemplo, em 2020, durante o intervalo da novela Totalmente Demais, da Globo, a C&A entrou no ar com descontos oferecidos via QR Code, que conduzia o público à plataforma de e-commerce da marca.

Entre as vantagens de se aplicar a tecnologia na comunicação, está a conexão entre o ambiente off-line e online, capaz de levar o público de uma mídia tradicional para uma digital. Outro benefício é a criação de um identificador único, responsável permitir a construção de campanhas personalizadas. “Todo cliente que pode ser identificado pode ter um QR Code associado a ele em um sistema e leitores podem identificá-lo no mundo físico”, explica Edson. “Uma campanha estática de out-of-home tem pouco potencial de captação de dados, porém, quando direcionada para o celular através de um QR Code, abre a possibilidade de mensurarmos e capturar os dados relevantes dos mais diferentes targets impactados”, adiciona João.

Normalmente, diz João, o QR Code é utilizado para prover um conteúdo de apoio à comunicação principal. Além disso, pode ter outros objetivos, como informar, captar dados, surpreender, expandir conhecimento, ampliar outras frentes de contato com o cliente e fidelizar. “Se já levaremos uma pessoa a pegar o celular, abrir a câmera e apontar para a tecnologia, é preciso atender a expectativa de uma entrega de valor para o usuário. Se a mídia usada não é adequada para provocar essa ação e se o seu uso não tem um propósito claro, é inútil”, complementa o profissional da R/GA. É essencial definir claramente e mensurar para onde o QR Code vai direcionar o target.

As barreiras
As barreiras para introduzir o QR Code na publicidade estão, cada vez mais, menores, uma vez que a mídia massiva já normalizou a tecnologia. Na linha de pensamento do QR Code ser uma ponte de ativação do digital no mundo físico, seu princípio primordial é de facilitar o acesso a uma URL, que pode levar a um site ou a um identificador único, como no caso das carteiras digitais. “A barreira tecnológica que existia em um passado recente de problemas de conectividade, como número reduzido de smartphones ou a falta de conhecimento da tecnologia, já foram superadas nos grandes centros”, explica Edson.

Atualmente, a criação de QR Code é acessível para marcas e até mesmo pessoas físicas, uma vez que existem diversas aplicações na internet que criam código personalizado de forma gratuita. Mas, o profissional da Sapient AG2 aponta que é necessária a utilização de textos informativos e explicativos, que permitam aumentar o alcance e comunicar para um público mais amplo dentro de uma estratégia definida. Ademais, João destaca que os anunciantes precisam estar atentos a questões de privacidade de dados e compliance: “Por isso, a criação desses códigos com desenvolvedores parceiros é o recomendável, pois aí podemos ter total controle de todo e qualquer fluxo de dados gerado desde a concepção até as interações”.

Victória Navarro – 16 de fevereiro de 2021 – https://www.proxxima.com.br/home/proxxima/noticias/2021/02/16/qr-code-e-as-possibilidades-na-publicidade.html

As tecnologias que estarão em evidência na retomada

As tecnologias que estarão em evidência na retomada

Com o comércio sendo conduzido a um caminho de reabertura gradual dos negócios, o desafio para o varejista está em encontrar, ao mesmo tempo que busca uma equação que seja favorável para a reabertura, a criação de um ambiente de vendas que seja convidativo e acolhedor, sem abrir mão de fornecer todos os processos e mecanismos possíveis para que seus consumidores sintam-se seguros e aptos a voltarem a comprar.

Se os pequenos negócios vão precisar usar de pessoas e processos mais simples, como a disponibilização de álcool gel, o uso de termômetros de leitura rápida ou uma pessoa para controlar a entrada e saída de consumidores da loja, mantendo um número adequado de ocupação, é fato que muitos varejistas poderão buscar na tecnologia um apoio para a criação de ambientes que além da segurança, se mantenham produtivos e eficientes, buscando a minimização de custos e a maximização de resultados. Algo essencial para esse momento.

Em termos de tecnologias, os sistemas de vídeo analytics parecem ter encontrado seu grande momento. Compostos de câmeras e sensores dotados de inteligência artificial, estão sendo utilizados para questões que vão desde o controle de entradas e saídas de pessoas (por conta do controle de ocupação), passando até mesmo pelo emprego de câmeras térmicas, capazes de identificar a variação de temperatura dos consumidores, um dos importante indicadores no caso do novo coronavírus.

E o controle de pessoas não para somente no vídeo analytics. Uma novidade que veio à tona durante a pandemia está no controle de pessoas por sinal de celular, capaz de registrar comportamentos ou quantidades, sem a necessidade de se identificar os usuários, e que foi amplamente divulgada por entidades públicas que utilizaram o sistema para controle dos índices de isolamento da população. Algo que poderá ser utilizado, por exemplo, para entender a retomada em corredores comerciais e shopping centers.

Além disso, a necessidade de tecnologias que permitam o que em outro artigo chamei de “Touchless Retail”, estão na questão dos meios de pagamento. O reconhecimento facial, antes uma utopia para muitos negócios, passa a se tornar cada vez mais realidade e os exemplos em breve poderão ser vistos, com tecnologias que vem sendo oferecidas tanto por grandes players de mercado, como startups, e  que serão aplicáveis em questões que vão desde o reconhecimento de funcionários em empresas, substituindo os relógios de ponto, à tecnologias que permitirão que se pague uma conta sem a necessidade de dinheiro, cartão, ou senha.

Decorrente da expansão digital que a pandemia parece ter trazido, com uma estimativa de crescimento de até 30% no e-commerce em termos de canal, operações que facilitem a compra sem a necessidade de contato ou que promovam uma experiência cada vez mais rápida, como sistemas de drive-thru, áreas de “click & collect” (clique e retire), smart lockers (similares à vending machines), ou até mesmo lojas completamente automatizadas, à exemplo da Amazon Go nos Estados Unidos serão muito mais vistas já no segundo semestre no país, com diversas iniciativas tomando forma, em modelos que tomam forma como a recente Omnibox, que oferece uma interessante experiência, inicialmente sendo instalada em condomínios pela Grande São Paulo.

E se a venda ganhou novos caminhos, passando de uma venda passiva, para uma venda totalmente ativa, os canais das redes sociais nunca foram tão importantes para o varejo nesse momento. Já está havendo uma nova onda de softwares que auxiliam o controle, o direcionamento e uma melhor interatividade entre vendedores e consumidores através dessas ferramentas. Nos Eua, Hero e The Call List são duas startups que tem apoiado de forma interessante a conexão nesse sentido.

[…] Se o mercado nunca pareceu tão difícil, e tão complexo, nunca houve tantas oportunidades para se inovar e buscar novos caminhos no negócio como hoje. E a tecnologia terá papel fundamental nessa retomada.

Por Caio Camargo -3 de junho de 2020 – https://www.mercadoeconsumo.com.br/2020/06/03/as-tecnologias-que-estarao-em-evidencia-na-retomada

Centauro lança novo modelo de loja voltado para experiência

A Centauro lançou um novo modelo de loja e está remodelando suas unidades. A loja do Shopping Ibirapuera foi inteiramente transformada, para o modelo chamado Geração Cinco (G5), voltado para a experiência do consumidor e ao oferecimento de serviços personalizados. O espaço possui 1.137 m² e passou a servir como um hub do esporte, promovendo ações em conjunto com marcas parceiras. O objetivo da loja é valorizar o relacionamento com todos os clientes e, principalmente, com a população local.

A loja possui provadores Inteligentes, que permite que as peças escolhidas pelo cliente sejam identificadas e, por meio de uma tela, disponibiliza informações sobre os produtos. Com isso, o consumidor pode solicitar outro tamanho ou até mesmo receber recomendações de artigos similares sem sair da cabine.

O caixa da unidade é móvel. Os consultores da loja podem finalizar a compra dos clientes em qualquer lugar das novas lojas, não sendo necessário pegar filas. Os totens com tablets também permitem acesso a uma infinidade de itens, que podem ser solicitados para entrega em casa ou retirada em loja.

A nova loja possui lockers para a retirada de compras online. Ao comprar um produto no site e optar por retirar o mesmo na loja, o cliente recebe um e-mail com um código e número do locker. O mesmo deverá ser usado para abrir o armário no qual estará guardada sua compra. Dessa forma, o consumidor retirará seu produto rapidamente na loja, evitando filas e economizando tempo.

Na Centauro é possível testar bikes e identificar o tipo ideal de acordo com as preferências e características. A experimentação está dividida em duas fases: testas as bikes nas próprias lojas e, em seguida, escolher a bicicleta ideal em uma tela interativa.

É possível também experimentar calçados. Os tênis podem ser provados em uma esteira conectada a telas que simulam circuitos de corrida do mundo todo, permitindo ao cliente testar pisadas e encontrar o modelo ideal para sua atividade.

Em um dos ambientes das novas lojas, a Centauro passa a oferecer mais opções de personalização, além da já tradicional estamparia de camisas de futebol, agora com a customização de chuteiras.

As novas lojas da rede atuarão como um hub de entretenimento, recebendo uma série de eventos em conjunto com marcas parceiras, além de realizar transmissão de jogos ao vivo, aulas, workshops, valorizando o relacionamento com todos os clientes e, principalmente, com a comunidade local.

Ao unir produtos, informação e serviços em um único lugar, os consumidores terão acesso a experiências diferenciadas, por meio das tecnologias. A loja conta com 25 colaboradores, que estarão prontos para atender e auxiliar os clientes nessa nova jornada, além de mais de 30 mil itens disponíveis, entre calçados, acessórios e vestuários.

Riachuelo inaugura flagship no Shopping Morumbi em São Paulo

A varejista de moda Riachuelo lançou um novo modelo de loja, no Shopping Morumbi, em São Paulo.  A unidade possui 2.290m2 e conta com um mix completo de produtos da marca, com novos serviços e projetos pilotos da companhia. A loja possui experiência de compra digital, com a realização dos pagamentos sendo feitas por meio de dispositivos móveis espalhados pelo estabelecimento.

A flagship possui uma estratégia omnichannel, integrando a loja física com o universo digital. O cliente faz a compra digital na loja e escolhe o endereço para entrega, sem custo. Há ainda a opção dos lockers, que permite a realização do”compre e retire em loja”.

Os provadores da unidade utilizam tecnologia. Por meio de um espelho interativo, os clientes podem ver as outras cores e tamanhos disponíveis das peças, solicitar novos itens e ajustar a intensidade de luz.

A loja é organizada em departamentos, que possuem design e comunicação visual próprios. Ao todo, a unidade possui 67,8m2 de painéis de LED com o conteúdo e storytelling da marca. O espaço possui ainda áreas instagramáveis, como bonecos em tamanho real de personagens da DC, voltados para a interação dos clientes.

A Riachuelo do Shopping Morumbi possui ainda uma área voltada para a customização de peças, como jaquetas e camisetas. O chamado espaço RCHLO + permite a criação, impressão de estampas na hora e a aplicação de patches.

No mesmo espaço serão realizados workshops, bate-papos, ativações com artistas, entre outros. “Queremos que a loja se torne um espaço de encontro e, principalmente, de compartilhamento de ideias e experiências”, disse Elio Silva, diretor executivo de Marketing.

A loja recebeu o selo HBC (Healthy Building Certificate), uma certificação internacional que atesta a saludabilidade de construções com base na qualidade do ambiente. As luminárias foram produzidas a partir de cabides plásticos reciclados, uma reutilização dentro da própria cadeia.

A inauguração do Shopping Morumbi integra o plano de expansão da marca. Está prevista a abertura de mais três lojas e outros projetos, que serão lançados como pilotos na nova unidade e serão replicados nas demais lojas da rede nos próximos anos.

Novo Varejo 2.0 busca a combinação virtuosa possível

O conceito de New Retail (ou Novo Varejo) é de 2016 e foi proposto por Jack Ma, o icônico líder da chinesa, cada vez mais global, Alibaba, um ecossistema de negócios que tem valor de mercado próximo a US$ 455 bilhões.

O conceito desenhava a nova realidade no varejo com a integração entre o online e off-line com amplo envolvimento logístico e a tecnologia como elemento viabilizador de toda a evolução.

O New Retail, em 2016, era um dos conceitos propostos por Jack Ma para sua visão sobre a New Economy, que incluía ainda New Manufacture, New Finance, New Energy Source and New Technology. Em sua concepção, o New Retail era apenas uma pequena parte da cadeia mais ampla de negócios e desta forma deveria ser entendida.

Mas o impacto das inovações que a concepção do ecossistema de negócios Alibaba e outros trouxeram transcende em muito que acontece nos negócios e envolve a própria sociedade como um todo. E em todo o mundo e cada vez mais.

Especificamente no varejo, a integração tecnológica online, off-line e logística com o multirelacionamento precipitado pelos Super Apps está redesenhando toda a realidade do varejo, inicialmente na China, mas, gradativamente avançando para outras realidades, inclusive no Brasil. O seu potencial transformador nos próximos cinco anos por aqui será maior do que tudo aquilo que aconteceu no nosso varejo nos últimos cinquenta anos.

Mas, enquanto na China toda essa transformação é precipitada pela tecnologia e redesenhou a realidade dos negócios, do mercado e da sociedade, a partir dos Super Apps, em outras economias, também maduras, essa transformação acontece, porém com velocidade em menor escala, pelas estruturas, hábitos, agentes e práticas existentes.

Como parte dessa mudança na China, em torno de 80% das transações no varejo ocorrem com pagamento digital feito a partir do celular e não raro encontrar empresas, como a rede de coffee-shops Luckin, que anunciam não aceitar outra forma de pagamento que não essa. Assim como supermercados que também não aceitam outra forma de pagamento a partir de determinado horário, que não via celular.

Mas se você der um salto espacial e estiver no Hudson Yards, o novíssimo complexo multiuso inaugurado em março deste ano, em Nova Iorque, na operação da Citarella, uma combinação de loja de produtos gourmet, restaurante e wine bar, o aviso que encontrará é que também não aceitam dinheiro, apenas cartões de crédito ou débito.

Mas no Hudson Yards a arquitetura provocativamente arrojada, os novos formatos de lojas de redes globais e locais, o novo equilíbrio de produtos, serviços e soluções, combinados ou não, a predominância das marcas próprias no varejo, o design e comunicação visual únicos e pensados para constante mudança, as instalações criando interações, os elementos de tecnologia disponíveis com foco em conveniência e redução de atritos, o espaço dedicado à alimentação, entretenimento, saúde, beleza, bem estar e lazer, sinalizam mais um vetor de combinação de elementos que podem ser incorporados numa outra visão do Novo Varejo, com uma proposta mais focada na experiência, desta vez do lado ocidental do mundo.

New Retail 2.0

O que imaginamos como o Novo Varejo 2.0 é exatamente essa combinação virtuosa e emergente de elementos vindos da integração do que a tecnologia, os Supper Apps, o online e off-line, a logística e tudo o mais que redesenham a realidade do varejo a partir da China, com todos esses outros elementos que emergem das novas propostas envolvendo experiências, design, conveniência, arquitetura, soluções, marcas próprias e ênfase no bem estar e cuidados pessoais tão valorizados na realidade ocidental mais madura.

Esse desenho futurista não está ainda disponível em nenhuma proposta atualmente operacional, mas deve estar emergente na mente dos que pensam o futuro próximo, pois do lado da demanda, dos omniconsumidores 2.0, será natural buscar essa combinação virtuosa de elementos.

E se existe ainda espaço para maior ambição na proposta, ela deveria necessariamente conter as pessoas como o elemento catalizador fundamental de toda essa integração.

E aí talvez não exista espaço para avançar muito mais. Ao menos por enquanto.

Adeus, Niketown. Olá, House of Innovation

Quando a Niketown abriu as portas em Nova Iorque, em novembro de 1996, prometia antecipar o futuro do varejo. Logo na entrada, o visitante recebia o impacto visual de um enorme átrio que se estendia pelos cinco andares da loja. De meia em meia hora, as luzes da loja baixavam e uma tela gigante descia por aquele espaço, para receber a projeção de um vídeo sobre a marca e seus produtos.

A loja era cenográfica e cada seção falava de um tema diferente, com ajuda de expositores incríveis, painéis fotográficos e elementos como sacos de boxe, que podiam ser usados pelos clientes. O atendimento não era feito por simples vendedores, mas por pessoas capazes de orientar as escolhas dos consumidores. ‘Atletas servindo atletas’, era o lema da Nike.

Também havia muita tecnologia. Depois que os clientes provavam os produtos, os funcionários acionavam o estoque, por meio de uma tela de computador, de onde os itens eram enviados, por meio de um intrincado sistema de 26 tubos pneumáticos, até o vendedor. Impressionante? Claro que sim. Não foi à toa que a Niketown ganhou o apelido de Willy Wonka dos tênis, uma referência ao filme ‘A fantástica fábrica de chocolates’, tornando-se ponto de visita obrigatória para quem queria entender os rumos do varejo.

A Niketown a cada ano ganhava novidades, como a área de customização de tênis, espaços dedicados a novos produtos, como o Nike+, e muitas experiências. Parecia eterna em sua capacidade de renovar-se. No entanto, no começo de 2018, a imensa loja da Rua 57 fechou as portas, para sempre.

Seria mais uma vítima do Apocalipse do Varejo?

Não, longe disso. A Nike simplesmente seguiu adiante. Em 2016 já havia inaugurado, também em Nova Iorque, mais precisamente no Soho, um novo modelo de loja onde melhorou experiências e agregou novas tecnologias. Parece que estava apenas testando ideias para enfim lançar, esse ano, uma proposta de loja realmente disruptiva, sugestivamente batizada de Nike House of Innovation.

A nova flagship ocupa cerca de 7 mil m2, distribuídos por seis pisos, em um prédio da 5ª Avenida, próximo à Rua 52. Ela incorpora os mais recentes avanços digitais da Nike e conta com o maior estoque de tênis da marca do mundo. A House of Innovation tem ainda a ‘Speedshop’, uma espécie de loja dentro da loja, para compras rápidas de itens populares. Praticamente uma loja de conveniência Nike.

Todo o espaço é modular e as paredes podem ser movidas, fazendo com que as áreas possam ser modificadas inteiramente, de um dia para o outro, para receber um grande evento, por exemplo. Outra novidade é um andar inteiro dedicado aos membros do Nike+, que podem usufruir de vantagens como horários exclusivos para compras, consultas com especialistas e customização de produtos. Mas os simples mortais não precisam se preocupar – há também um amplo laboratório de customização de produtos logo na entrada da loja, disponível para todos.

A House of Innovation promove ainda maior integração de funcionalidades do app da Nike dentro da sua loja física. Isso significa a possibilidade de pagamento via celular e de obter informações sobre os produtos por meio de escaneamento de QR Code presente em cada manequim. Esse código também permite que o cliente peça que determinada peça seja enviada ao provador, onde um vendedor irá atende-lo.

Comparar a Niketown, fechada no início do ano passado, com a House of Inovation, aberta no final do mesmo ano, é como fazer uma viagem no tempo e perceber como o varejo evolui e para onde se direciona. As experiências são mais customizadas, a tecnologia torna a compra mais conveniente, a marca torna-se mais pessoal. É também perceber com mais clareza, porque determinadas marcas, com menor percepção das novas demandas dos consumidores, vão ficando pelo caminho.

Isso para mim não é apocalipse. É evolução.

7 estratégias de Marketing que se consolidarão em 2015

Na metade da década em que o consumidor foi definitivamente colocado no centro das decisões, a pressão sobre os Chief Marketing Officers (CMOs) recai mais do que nunca sobre a necessidade de compreender o cliente. Não mais apenas o perfil dele, mas seu comportamento, suas aspirações individuais e cada oportunidade de estabelecer contato e construir um relacionamento com o público-alvo.

O Mundo do Marketing identificou sete estratégias que prometem se consolidar ao longo de 2015 por serem capazes de garantir experiências diferenciadas aos consumidores e, consequentemente, aumentarem sua satisfação e lealdade às marcas.

Em um ano permeado de incertezas e ameaças de crise econômica, direcionar os investimentos para ferramentas e tecnologias corretas será definitivo para o ganhar relevância na empresa. Confira o que você não poderá (ou não deverá) deixar de lado – enumeradas em ordem aleatória.

1. Customer Experience Management
Um dos principais desafios dos CMOs hoje é conseguir melhores resultados em customer experience, segundo mostrou estudo do Gartner realizado em parceria com o CMO Club. Para 25% dos executivos ouvidos pela pesquisa, a expectativa dos CEOs em relação a esta área foi a que mais cresceu em 2014, embora ela apareça em última posição entre as atividades em que mais houve progresso no ano.

A empreitada de aprimorar a experiência do consumidor é complexa, mas surge como uma oportunidade para os executivos de Marketing ganharem relevância e destaque na empresa. Os profissionais precisam ser capazes de, com a ajuda de dados dos clientes, gerenciar as percepções em relação à marca de forma coerente com o posicionamento dela. Na maioria das empresas a construção de marca e os esforços de customer experience ainda estão desconectados.

A Gartner define o gerenciamento de experiência do consumidor como a prática de desenhar e reagir às interações com os clientes, alcançando ou superando as expectativas deles para, assim, elevar a satisfação, a lealdade e o número de defensores da marca. Essa é uma estratégia que depende de mudança de processos de e tecnologia para alcançar êxito.

2. User Experience Branding
Depois de os consumidores serem convidados a participarem do desenvolvimento de novos produtos e serviços (com os processos de coworking, cocriação e design thinking), chegou a hora desse movimento ultrapassar mais uma fronteira: a dos logotipos. As pessoas estão ávidas por terem voz e poder de participação, desejo esse exacerbado nas redes sociais. E – por que não? – inclusive nas representações das marcas.

Algumas poucas empreitadas nessa direção já ganharam forma. Em 2014, o Airbnb laçou o Bélo apostando nesse contexto de apropriação do consumidor, conhecido como User Experience Branding. As pessoas puderam customizar o novo logo do serviço, escolhendo formato, cor e textura, além de incluir imagens numa plataforma criada especialmente para a experiência.

A comemoração dos 450 anos do Rio de Janeiro, celebrados em 2015, também conta com uma marca aberta à intervenção dos cariocas, brasileiros e pessoas de todo o mundo. Nela, os algarismos que compõem a efeméride formam um rosto estilizado, livre para customizações. A solução surge após um longo caminho que foi dando flexibilidade aos logotipos. O primeiro sinal de mudança surgiu quando os grafismos começaram a se tornar mais flexíveis, ganhando formas fluidas.

Um dos exemplos foi a Oi, que é simbolizada, há anos, por bolhas em diferentes formatos e cores. “O logotipo é a ponta do iceberg que torna todo um conceito de marca visível. Na década de 1970, ele era sólido, estático, para passar robustez. As coisas eram permanentes, a fidelidade às marcas era maior. Conforme a Era Digital chega, com novas mídias e linguagens, as marcas começam a ficar mais fluidas. Já a abertura para a criação coletiva de logos deve se manter, inicialmente, mais restrita às empresas jovens e culturais, como universidades e museus, e, aos poucos, ganhar adesão”, analisa Ricardo Leite, Sócio e Diretor de Criação da Crama Design Estratégico, escritório que desenvolveu a marca dos 450 anos do Rio, em entrevista ao Mundo do Marketing.

3. Gamificação
As marcas que buscam conquistar os consumidores – especialmente as gerações mais jovens – com experiências diferenciadas investirão na gamificação em 2015. A estratégia pode gerar ganhos para empresas de diversos setores, sejam de produtos ou serviços. Nesta primeira quinzena de janeiro, durante a Couromoda, a Kidy, de calçados infantis, laçou um tênis game, apostando na tendência.

O produto permite aos pequenos participarem de diversos jogos online gratuitos, disponíveis em dispositivos móveis ou Smart TVs, via bluetooth. Os passos das crianças geram movimentos nos games. Os pais também podem monitorar a quantidade de passos dos filhos e as calorias perdidas por eles. A companhia investiu cerca de R$ 1,5 milhão e três anos e meio no desenvolvimento do calçado, cujo preço ainda não foi divulgado.

Outras soluções estão prestes a surgir no mercado. A agência BBlender está desenvolvendo dois projetos que adotarão o recurso da gamificação. Um deles é voltado para uma marca de bem de consumo que busca, de forma dinâmica, engajar o público final. “Os jogos podem extrapolar o digital com uma campanha que alcance anúncios na TV e o ponto de venda, levando os consumidores para a plataforma. O ano se torna ainda mais propício para esse tipo de iniciativa por conta da proximidade com as Olimpíadas”, analisa George Mavridis, Sócio da agência carioca, em entrevista ao Mundo do Marketing.

O outro cliente da BBlender busca inserir jogos no treinamento da equipe de vendas, mostrando que a estratégia também pode funcionar em ações com o público interno. “O mundo está muito competitivo e as empresas estão buscando alternativas para se diferenciarem. Essa é uma das formas possíveis para isso. As companhias já começaram a perceber o valor por trás dos games” resume Mavridis.
4. Employer Branding
Um dos maiores desafios para as empresas, atualmente, é a retenção de talentos. A chamada Geração Y representa um desafio ainda maior para os gestores, já que não costuma se manter em uma mesma companhia por muito tempo, é atraída por novos desafios e almeja ascensão rápida na carreira. Esse grupo não leva em conta apenas a remuneração oferecida, mas outros atributos do ambiente de trabalho. Para atender às demandas intangíveis desse perfil e reduzir a rotatividade de profissionais, os gestores estão apostando em estratégias de Marketing aplicadas aos seus próprios times.

As empresas de tecnologia são bons exemplos do Employer Branding, que consiste basicamente em inovar no relacionamento com o público interno. O Google incluiu em seus escritórios mesas de sinuca e videogames, que podem ser utilizados em pausas durante o expediente. No Brasil, algumas companhias já apostam na adoção de roupas casuais durante o expediente e em configurações de salas de reunião menos formais.

Em 2015, esse movimento tende a extrapolar os setores nos quais estão mais consolidados, alcançando as demais companhias presentes no mercado. A prova de que não há entraves para a adoção da prática foi o uso de Employer Branding pelo tradicional grupo religioso de educação Marista. Na empresa, as práticas passam pela adoção de gestão colaborativa, jornadas com horários flexíveis e momentos de descontração e lazer em conjunto.

Estas acabam sendo ferramentas de escape em departamentos em que se trabalha com prazos curtos, verbas apertadas, cobrança por resultados e multitarefas. Partindo do entendimento de que a equipe é um dos principais ativos da empresa, a inovação no Marketing precisa começar dentro da sua própria área.


5. Pagamento por celular
A promessa de que carteiras poderão ser deixadas em casa em breve em prol de um sistema de pagamento mobile ronda os consumidores há bastante tempo. Até hoje, no entanto, nenhuma tecnologia inventada foi capaz de concretizar a promessa. Mas parece que desponta no horizonte uma nova esperança de que isso enfim aconteça, a partir do lançamento do Apple Pay, no ano passado.

A funcionalidade ainda está restrita ao varejo dos Estados Unidos, mas as companhias que não quiserem perder o bonde por aqui devem começar a se preparar para a era do fim (ou da redução) dos plásticos. O Apple Pay pouco se difere tecnologicamente do Google Wallet, apresentado em 2011. Ainda assim, é possível que o método de pagamento mobile da empresa da maçã se torne um divisor de águas pelo seu poder de penetração.

Pode parecer contraditório, mas não é. Apesar de não apresentar grandes avanços tecnológicos, o produto da Apple chega aos consumidores em um cenário completamente diferente do encarado pelo Google Wallet mais de três anos atrás. A fabricante de iPhones e iPads fez seu dever de casa e lançou o serviço com uma rede de aliados já prontos para colaborar com o sucesso da empreitada: de bandeiras de cartão de crédito, bancos e prestadoras de serviços de pagamentos eletrônicos, a grandes redes do varejo, como McDonald’s, Subway e o supermercado Whole Foods.

Além disso, a companhia conta com uma base de cerca de 80 milhões de cartões de crédito cadastrados, por conta dos usuários da APP Store. O primeiro anúncio de TV com o serviço já foi ao ar nos Estados Unidos, por meio da parceria da Apple com o banco Chase. “Fala-se sobre transações mobile há certo tempo, mas de um ano para cá surgiram iniciativas mais concretas no mercado. Uma delas foi a regulação do Banco Central, em novembro de 2013, possibilitando fazer pagamentos por meio de contas próprias para isso” afirma Eduardo Abreu, Diretor de Marketing e Produto da Zuum, em entrevista ao Mundo do Marketing.

A Zumm é uma conta corrente pré-paga no celular, que transfere, recebe e saca dinheiro, recarrega créditos de celular, consulta saldo e paga contas, sem internet e sem banco. O serviço foi criado a partir de uma parceria entre a Telefônica e a Mastercard. O foco do produto está voltado para a baixa renda, que ainda não tem acesso ao sistema bancário. A solução da Zumm funciona em qualquer celular, mesmo os mais simples, em um mecanismo tão simples quanto o de um SMS.

A empresa, que ainda está restrita a algumas capitais brasileiras, já conta com 350 mil clientes cadastrados, após um ano e meio de operação. O sistema ainda não é um pagamento mobile, mas busca atender a uma demanda anterior a essa. O segundo passo deve acontecer nos próximos dois a três anos. “Estamos descobrindo públicos diferentes com necessidades diferentes. Tem gente que está usando o Zumm para dar mesada aos filhos, por garantir mais controle sobre os gastos, ou para fazer o pagamento a motoristas e domésticas, que não precisam mais deixar o trabalho levando as quantias em espécie”, relata Abreu.
6. Dispositivos inteligentes
Os consumidores estão cada vez mais acostumados à tecnologia e abertos a seus novos usos, interessando-se pelos equipamentos vestíveis e os dispositivos inteligentes e sincronizados. Eles mostram-se atrativos quando garantem economia de tempo e dinheiro às pessoas, ou elo com a saúde. As iniciativas já existentes são variadas, mas a tendência é que elas ultrapassem novas fronteiras em 2015.

Durante a Consumer Eletronics Show (CES) deste ano, em Las Vegas, a empresa gaúcha Extraton, fabricante de sensores e relés, apresentou um chuveiro que permite ouvir músicas e atender ligações no banho. O equipamento chamado Shower Show utiliza tecnologia bluetooth para se conectar ao smartphone. Há outras funcionalidades no aparelho, que mostra o consumo mensal de água e energia. A perspectiva é de que o produto comece a ser vendido neste primeiro semestre.

Nos Estados Unidos, 22% dos consumidores afirmam terem comprado um aparelho como o smartwatch ou a Fitbit nos últimos dois anos, segundo a Mintel, o que demonstra a adesão à conveniência da conectividade. As casas inteligentes já começam a surgir com o desafio de superarem os utilitários econômicos e abrangerem ambiente e decoração. A Philips é uma das marcas que já desenvolveu o Hue LED, que permite o controle da luz por meio de dispositivos móveis.

7. Automação de Marketing
A automação de Marketing está no radar de todo CMO, mas ainda não é amplamente utilizada, especialmente extrapolando o digital e alcançando as ações de CRM e inteligência de mercado. O desafio para 2015 é conseguir extrair todos os benefícios que a tecnologia traz para a área. Há ferramentas disponíveis no mercado acessíveis até para negócios pequenos e médios.

Com uma abordagem baseada em dados, a automação de Marketing permite agilizar e otimizar processos, para que os profissionais da área possam ficar empenhados em atividades estratégicas que demandam criatividade. Grandes organizações, como IBM, Salesforce, Adobe e Oracle, adquiriram, nos últimos anos, empresas especializadas nesse tipo de tecnologia, de modo que não faltam ferramentas disponíveis no mercado.

Por Renata Leite, do Mundo do Marketing | 16/01/2015

http://www.mundodomarketing.com.br/reportagens/planejamento-estrategico/32622/7-estrategias-de-marketing-que-se-consolidarao-em-2015.html