Arquivo da tag: influenciadores

Omo se reinventa

A Unilever realiza mudança em sua maior marca, após 24 anos. Desde de 31 de março, a OMO evolui e inicia sua modernização, reformulando toda a sua linha de produtos com muitas novidades para atender aos novos hábitos do consumidor no cuidado com as roupas.

OMO Multiação evolui é agora é OMO Lavagem Perfeita. Essa é a primeira de uma série de inovações programadas ao longo do ano, com a reinvenção do maior produto da Unilever no mundo e renovação de 100% do seu portfólio. Para comunicar a maior campanha de marketing de OMO nos últimos tempos, a MullenLowe Brasil criou uma campanha integrada, com lançamento nacional no último domingo.

A comunicação apresenta o novo OMO Lavagem Perfeita, reforça a modernização da marca e os benefícios, dentre eles o novo pó ultrafino de rápida dissolução, que não deixa resíduos; capacidade de remoção das manchas em uma única lavagem; e o cuidado para que as cores possam durar mais. Além disso, o produto é mais sustentável, contém mais ativos biodegradáveis e exige menos água no processo de lavagem, o que o torna um aliado do meio ambiente.

Iniciando com veiculação nacional em breaks comerciais do programa “Domingão do Faustão”, a campanha apresenta a grande novidade com o lançamento do filme “Despedida” e usa a melodia da música “Hoje”, para marcar presença e apresentar todos os benefícios do produto. A assinatura reforça: “O que já era OMO ficou ainda melhor”. Além disso, Evaristo Costa participa também de três filmes especiais para a apresentação do novo OMO Lavagem Perfeita.

No ambiente digital, a campanha contará com várias ações diferenciadas, dentre elas um unboxing em realidade aumentada no site www.novoomo.com.br, em que o consumidor consegue usar essa tecnologia para visualizar, em tempo real, a transformação da antiga caixa do OMO Multiação na nova embalagem de OMO Lavagem Perfeita para conhecer seus benefícios e assistir ao filme da campanha. Influencers mostrarão em suas redes sociais o unboxing do novo OMO e um time de youtubers criará conteúdo para a marca durante o ano.

Em termos de processos, esse trabalho é o primeiro do modelo “agile” da MullenLowe Brasil, realizado por meio de uma integração feita a quatro mãos com¬¬ agência e clientes trabalhando juntos no dia a dia.

Confira o vídeo abaixo:

Como as marcas devem se relacionar nas redes sociais com a Geração Z?

color

Os exemplares da geração Z, também conhecidos como “nativos digitais”, já nasceram de celular na mão e cresceram num mundo conectado.

Chegando às faculdades agora, eles serão o centro das atenções do futuro do e-commerce. Até 2026, os mais novos dessa geração já terão atingido a idade para ter renda própria e seu poder aquisitivo alcançará novos patamares.

E, é claro, marcas e e-commerces precisam iniciar um relacionamento com essa geração para aumentar suas chances de sucesso nos anos vindouros.

Características e poder de compra dos nativos digitais

A Geração Z, definida por quem nasceu de 1998 até 2010, é diferente das gerações passadas. Justamente por isso, entender suas características e preferências é essencial para capturar sua atenção – e, claro, seu dinheiro.

Eles cresceram acostumados a usar a Internet e é a primeira geração inteiramente digital. Isso é tão enraizado em sua cultura que eles só percebem que a internet existe quando o wi-fi não está disponível.

Antenados à tecnologia, são usuários assíduos das redes sociais, consomem diariamente vídeos on-demand, e tudo começa pelo celular. Obviamente, suas expectativas são mais altas que as das gerações passadas.

Potencial de compra ampliado

De acordo com relatório da BI Intelligence – que explorou os hábitos de compras da Geração Z – os chamados nativos digitais estão apenas começando a impactar o comércio, mas já são extremamente valiosos.

Segundo estudos da IBM – que considerou mais de 15 mil pessoas em 16 países – a Geração Z já possui $44 bilhões de dólares em poder de compra, número que irá decolar conforme ficarem mais velhos e conquistarem autonomia. Além disso, eles influenciam 93% do planejamento financeiro da família.

Apesar dessa geração ainda comprar em lojas físicas, isso se deve muito mais ao fato de ainda não terem cartão de crédito do que a uma preferência em si.

Até que o e-commerce se torne o principal canal de compras dessa geração – quando atingirem a maioridade – o comércio enfrentará o desafio de construir uma presença digital sólida usando, especialmente, os canais preferidos desse público: as redes sociais.

Comportamento de Consumo

Essa é a primeira geração a viver uma vida onde a Internet é onipresente através do mobile, e isso moldou seus hábitos de compras. Para os nativos dessa era, a distância de uma loja para a outra é zero e eles compram no mundo inteiro.

Seus hábitos de compra em e-commerces também começaram mais cedo que a geração passada. Justamente por isso, eles têm a habilidade de serem altamente sofisticados em suas decisões de compras.

Os nativos digirais querem se relacionar com marcas e empresas de forma integrada, não importando o canal. Isso significa ser atendido e poder comprar de uma mesma marca através do Instagram, Facebook ou e-commerce, com uma experiência fluída independente do canal.

Redes Sociais: o quintal da Geração Z

Quando o assunto é redes sociais, os nativos digitais dão um show. Eles cresceram vendo e usando esses canais: em casa, na rua, na escola e nos espaços públicos. E, claro, já são acostumados a procurar tudo pelas redes.

Muitos perguntam onde encontrar certos produtos e serviços nas redes sociais antes mesmo de procurar no Google. Usam a inteligência coletiva para suas escolhas e se baseiam em influência social.

Geração Z representará 40% dos consumidores do mundo até 2020

Esqueça os Millenials! A Geração Z chegou e está pronta para deixar suas pegadas no mercado. Ela está começando a sua vida financeira e é mais focada em ter dinheiro que as gerações passadas.

De acordo com a base de usuários do Facebook, considerando pessoas de 13 a 22 anos de idade no Brasil, já são 33 milhões de brasileiros ativos na rede social.

Os mais novos se encontram em peso no Instagram e Snapchat. Segundo dados do IBGE, eles representam cerca de 23% da população brasileira, e, de acordo com a Fast Company, até 2020 eles representarão 40% de todos os consumidores no mundo.

DETALHE: estamos apenas a 24 meses de 2020!

Dicas para se relacionar com a Geração Z e impulsionar vendas

Seja mobile-first

O mesmo estudo da Fast Company mostra também que para a Geração Z, da socialização ao entretenimento, do aprendizado até a compra, tudo se passa pelo mobile.

Una isso às suas altas expectativas de compra online e temos um cenário letal para sites lentos, não responsivos, apps pesados e/ou difíceis de navegar.

Para aproveitar a entrada da Geração Z e seu poder crescente de compra, sua marca deverá pensar, sempre, em alternativas para mobile e, só depois, para desktop.

Invista em SEO e Assistentes virtuais

E, quando a questão é a busca no Google, tenha em mente que o novo hábito dessa geração são os assistentes virtuais.

De acordo com a GlobalWebIndex, 1 a cada 3 pessoas da Geração Z está usando uma busca por voz em seu smartphone.

Para o e-commerce, isso impõe o desafio de implementar estratégias cada vez mais assertivas de otimização para mecanismos de busca.

Investir em SEO, criar snippets para o Google e aparecer na posição “0” deve estar entre os objetivos de quem quer ganhar destaque. Outra dica valiosa para se comunicar com os nativos digitais é implementar a busca por voz no seu próprio site e e-commerce.

Aposte nos creators: a ponte entre as marcas e a geração Z

Menos impactados pela mídia tradicional e suas técnicas old school – como usar uma celebridade global para endossar um produto – a Geração Z tem novos ídolos.

Eles são, em sua maioria, YouTubers ou Instagrammers que falam sua língua e entregam conteúdo de valor. Eles são o canal e o artista ao mesmo tempo.

E é por isso que sua empresa precisará marcar presença através desses criadores de conteúdo, comumente conhecidos no meio como “creators” – uma evolução de ser simplesmente um influenciador digital.

Seja on-life e entregue valor

Para sua marca ou e-commerce ter um engajamento relevante com a Geração Z, ela precisará ser on-life, ou seja, fazer parte da vida conectada deles.

Se a informação ou conteúdo que você oferece em seus canais for irrelevante (ou apenas propagandista), os nativos dessa geração irão simplesmente te bloquear. Mas, o contrário é igualmente verdadeiro.

Com a Geração Z, seu objetivo não poderá mais ser, simplesmente, vender, mas sim, se relacionar.

E falar com essa geração é fazer muito mais publicidade do que propaganda. É mais contar o que a marca tem para ensinar do que contar o que ela tem para vender. É sobre propósito e significado. É mais engajamento em torno da mensagem do que somente em torno de um produto ou serviço.

Tenha uma ferramenta de gerenciamento de redes sociais

Milissegundos. Esse é o tempo que você tem para fazer o dedo de um nativo digital parar de descer no feed e ganhar sua a atenção nas redes sociais. Estima-se que a atenção dessa geração é de apenas 8 segundos após a fixação dos olhos. Um desafio e tanto, certo?

Para vencer essa batalha, usar ferramentas analíticas como a mLabs é fundamental. Além de te ajudar a entender o que é relevante e engaja o seu público nas redes sociais, você poderá agendar posts, analisar os resultados, interagir em tempo real e otimizar sua estratégia.

Esse tipo de ferramenta te ajudará também a criar uma experiência integrada de compra em seus canais sociais e a responder rapidamente às suas necessidades via inbox e comentários.

Automatize o atendimento com Chatbots

Apesar de nova, a geração Z é um poderoso grupo de influência para compras. Justamente por isso, é importante se preparar agora para o futuro.

Tenha em mente que você terá que lidar com uma geração impaciente – em função da estimulação tecnológica que tiveram. É uma geração imediatista que não irá esperar horas para ter uma resposta nas redes sociais.

Eles preferem falar com um chatbot para resolver mais rápido suas questões do que esperar para falar com um humano.

De acordo com a PricewaterhouseCoopers, 66% dos consumidores voltariam para uma loja online se ela tivesse atendimento via chat.

Dados como esse provam que, cada vez mais, as marcas precisarão investir para oferecer uma experiência de compra integrada, eficiente e rápida nos diversos canais onde ela está.

Utilize data science e aposte na personalização

Todos nós sabemos o quão valioso é para um cliente sentir que a marca realmente o entende, certo?

E, com a abundância de dados e tecnologias disponíveis hoje, as possibilidades de personalização tendem a crescer e se aprofundar cada vez mais. Tendência que fortalecerá também o costume dos nativos digitais de receberem tudo conforme sua personalidade / estilo de vida.

E, aí, eu te pergunto: como a sua marca / e-commerce está se saindo nesse quesito?

A maioria das lojas está constantemente minerando os perfis das pessoas que compram em seus e-commerces, mas nem todas usam essas informações para obter vantagens. Com o volume de dados gerados, é possível personalizar muito mais.

Não se limite a construir buyer personas e segmentar clientes! Vá para o nível do indivíduo e gere mais vendas.

Pense em ter pessoas especializadas em Ciência de Dados em seu negócio. Recomendações personalizadas para o indivíduo tem potencial de conversão muito maior do que uma estratégia de personas.

A personalização nesse nível aumenta desde a taxa de abertura dos e-mails até as vendas. Fazer retargeting nas redes sociais também contribui para o aumento das conversões.

Cuide do seu conteúdo nas redes sociais

Para se relacionar com essa geração através das redes sociais é fundamental ter conteúdos relevantes e que geram engajamento.

Ao contrário das gerações passadas – que preferem olhar passivamente os posts nas redes sociais ao invés de interagir – para essa geração, quanto maior o engajamento, maior a conversão.

Portanto, certifique-se de ter uma boa estratégia de conteúdo no ar, mantenha o engajamento e o diálogo constantes e melhores a experiência desse público com a sua marca.

Rafael Kiso é Fundador e CMO da mLabs, plataforma de gerenciamento de mídias sociais. Com 20 anos de mercado, atuou sempre no setor de tecnologia e meios digitais de empresas como Banco Itaú, FIESP e Focusnetworks. Em 2017 foi premiado pela ABRADi-SP como Profissional Digital na categoria Planejamento, e hoje é responsável por gerenciar e tomar decisões na mLabs, empresa que visa a democratização de redes sociais e a educação e desenvolvimento digitais

http://adnews.com.br/adarticles/como-marcas-devem-se-relacionar-nas-redes-sociais-com-geracao-z.html

Marketing de influência: por onde começar?

16 de Janeiro de 2018

Antes de tudo, é importante ter algumas informações em mente. Por exemplo: qual o objetivo da ação? Gerar brand awareness? Lançar ou impulsionar as vendas de um produto ou serviço? As motivações podem ser diversas e, portanto, os influenciadores selecionados para a campanha também variam de acordo. Afinal, cada perfil é especializado em um nicho de mercado e cada um possui um alcance distinto e um jeito de se comunicar. Quanto mais próximo aos valores da sua marca, mais o influenciador poderá conversar com o público que você quer atingir e mais ele poderá ajudar sua empresa a impulsionar resultados.

A motivação impacta diretamente no número de perfis necessários para que uma campanha seja realizada.

Outra questão relevante, em um primeiro momento, é alinhar o público-alvo da campanha e a expectativa de resultados. Assim, a escolha dos perfis, se serão microinfluenciadores ou webcelebridades, ou ainda a quantidade de influenciadores que podem ajudar a marca a alcançar objetivos, também é mais assertiva. E sim, a motivação impacta diretamente no número de perfis necessários para que uma campanha seja realizada.

Definidos esses pontos, outros itens entram no plano: qual será a forma de transmitir a mensagem para o público (posts, stories, vídeos)? Quais as diretrizes que influenciadores devem seguir durante a ação (o que devem ou não devem fazer)? Qual a forma de contratação de influenciadores? Por quanto tempo a ação irá acontecer?

Para tentar ajudar nessa empreitada, a Squid preparou o infográfico abaixo, no qual você confere as questões imprescindíveis para fazer um planejamento de sucesso.

Infográfico abaixo:

Native Ads

Microinfluenciadores são responsáveis por 66% do conteúdo das redes

sda
Lorrayne Mavromatis, youtuber que deixou região caribenha após a devastação do furacão Irma, viu suas redes crescerem 1.473% em poucos dias

Uma vez que redes sociais se tornaram referência na busca de conteúdos e informações, grandes empresas passaram a se associar com influenciadores digitais, mas compreender qual a melhor estratégia para isso se tornou um desafio constante. Pensando nisso, a Airstrip Group, empresa de tecnologia e mineração de dados provenientes das redes sociais, realizou um estudo a partir de sua base de mais de 1.1 milhão de perfis monitorados, que explica como posts contribuem para o marketing de influência.

Nos últimos 90 dias, essa mesma base gerou 560 milhões de post, o quais foram analisados pela empresa, sob três pilares: mudanças no comportamento das redes sociais, estratégia com micro influenciadores e o impacto de posts patrocinados.

Para sócio, Luis Otávio Cambraia, entender exatamente quem são os micros e macroinfluenciadores e como eles são relevantes na estratégia de comunicação das empresas é o diferencial para o sucesso das marcas. “O primeiro passo é fazer uma seleção de perfis de acordo com a relevância do influenciador dentro das categorias desejadas. Ele deve ter ao menos 30% de relação com o tema desejado. Em seguida, filtramos aqueles de acordo com a qualidade de engajamento a partir da pontuação na nossa ferramenta e, para finalizar, fazemos a distribuição de perfis entre os diferentes tamanhos de base”, explica.

O levantamento mostra que perfis com base de seguidores de até 20k são os que mais geram conteúdo, sendo responsáveis 66% dos mesmos. Outros 24% estão nas mãos de quem tem entre 20k e 100k seguidores. Ou seja, 86% do conteúdo analisado foi gerado por perfis com base de audiência menor de 100k. Influenciadores com mais de 1 milhão de seguidores geram apenas 2% dos posts.

Além de analisar o volume de posts, o estudo identificou queda de interesse do público em postagens pagas. No Instagram, por exemplo, perfis com mais de um milhão de seguidores tiveram uma queda de 47,3% de engajamento em publicações identificadas como patrocinadas por marcas através do uso de hashtags como #ad, #publi #publipost, entre outras. Já nos perfis entre 20k e 100k, os posts tiveram 24,7% a menos de comentários e curtidas. No Facebook, essa queda se deu em 35,8% e 21,6% para os mesmos grupos.

Para explicar esses números, uma vez que nota-se que os influenciadores estão gerando conteúdos relevantes para as marcas, Luís Cambraia ressalta que “os seguidores são sensíveis aos conteúdos patrocinados. Além de um olhar criterioso para o perfil do influenciador versus o contexto onde a marca está inserida, há ainda a necessidade de autenticidade na criação do conteúdo, uma vez que ele determina a taxa de engajamento e garante maior ROI para as marcas”.

A Airstrip analisou ainda o crescimento das redes sociais e os assuntos mais comentados em cada rede. No último ano, o Youtube foi a rede social que mais gerou alcance para seus usuários, totalizando 108,2% de crescimento das bases. Em seguida, vêm o Instagram com 63,3%, o Facebook com 44,8% e, por último, o Twitter com crescimento de apenas 30,5%. Dos assuntos mais comentados, futebol e política saem à frente no Facebook, já no Instagram, o assunto preferido dos usuários varia entre moda e fitness.

Dentro dessa análise de comportamento das plataformas, alguns perfis foram destacados, mostrando que as redes sociais estão conectadas ao offline, como um termômetro realtime ou agente de disseminação espontânea:

Entre 100k e 300k:

  1. @paratudoo cresceu %762%
  2. @crispimicheli cresceu 302%
  3. @mandycandyreal cresceu 102%

Entre 300k e 1M:

  1. @lorraynemavromatis cresceu 1.473%
  2. @negblack cresceu 268%
  3. @silveropereira cresceu 127%

Acima de 1M

  1. @pabllovittar cresceu 92%
  2. @paulinhop8 cresceu 46%
  3. @rafaeluccman cresceu 36%

Michele Crispim, ganhadora do Masterchef, viu suas redes crescerem 302% nos últimos 90 dias

Grandes influenciadores estão usando 33% menos o Snapchat

abre 33¢ menos snapchat

Estudos apontam a migração de grandes influenciadores do Snapchat para o Stories do Instagram. O movimento faz sentido ao olhar os dados: o Instagram Stories agora tem 250 milhões de usuários, ja o Snapchat fica em torno dos 173 milhões de ativos diários. O Instagram também possui mais de 800 milhões de usuários em geral, o que amplia o potencial de audiência. A agência MediaKix acompanha o uso de Snapchat e Instagram Stories de alguns dos principais influenciadores. Suas descobertas mostram que os influenciadores agora estão usando Snapchat 33% menos – o infográfico abaixo vai te dar uma visão geral da última atualização da pesquisa.

As informações são do Social Media Today.

http://adnews.com.br/internet/grandes-influenciadores-estao-usando-33-menos-o-snapchat.html

5 maneiras das marcas interagirem nas redes sociais

30 de Junho de 2017  

Social Media

Nesta sexta-feira (30) se celebra o Dia da Mídia Social. Criado pelo site de tecnologia Mashable há exatos sete anos, a data visa reconhecer e celebrar o impacto dessas plataformas digitais na comunicação moderna. Mais do que estar no centro das relações digitais estabelecidas entre as pessoas ao redor do mundo, pode-se afirmar, sem hesitações, que as mídias sociais mudaram para sempre a vida dos usuários da rede mundial de computadores.

Além de unir, por meio de redes sociais, comunidades de pessoas que compartilham de um mesmo interesse sem estabelecer limites de fronteiras, a social media também derrubou o muro que separa empresas de pessoas, permitindo uma interação sem precedentes entre marcas e clientes. É nesse ambiente que as empresas se aproximam dos seus consumidores, conhecem seus perfis de compra e aprendem com suas preferências e reclamações.

No final, essa relação traz vantagens para os dois lados: as marcas entendem melhor as necessidades dos seus consumidores, enquanto estes recebem um tratamento mais alinhado com suas expectativas.

Listamos abaixo cinco possibilidades de interação criadas pelas mídias sociais que ajudam a aproximar as marcas de seus clientes:

1 – Perfil social da marca

Estar presente nas mídias sociais é ser visto, ser encontrado e ser lembrado. Para tanto, é preciso manter um perfil próprio, que dê um rosto à pessoa. O mesmo raciocínio se aplica para as marcas. “Ter um perfil permite que a marca construa um relacionamento com os seus clientes, por meio do conteúdo, respostas e estímulo à conversa”, afirma Ana Maria Bicca, social media coordinator da Cadastra, agência de marketing digital full service. Segundo ela, é na mídia social que a marca participa do cotidiano dos seus seguidores, além de contar com a vantagem de ter o feedback direto do seu público para redefinir estratégias.

Mas atenção: perfil não atualizado é perfil esquecido. “Não basta estar ali, é preciso ser ativo, produzir conteúdo e interagir com o público. O conteúdo é importante para contextualizar os valores, identidade e posicionamento da marca”, conclui.

2 – Parceria com influenciadores

A relação com influenciadores digitais abre uma nova frente no universo de estratégias de marketing na mídia social.  Com ela, as marcas se comunicam com seu público-alvo por meio de ações junto a personalidades que detêm a atenção e a credibilidade de sua audiência.

“As pessoas frequentam as mídias sociais para navegar em universos que façam sentido para suas vidas, buscando conteúdos que agreguem profissionalmente e também para o dia-a-dia delas. Nesse ambiente, os influenciadores são aqueles que criam conteúdo relevante e acessível. A vantagem para uma marca usar um influenciador na sua comunicação é estar inserida dentro desse conteúdo relevante”, afirma Gian Barbera, que é sócio da iFruit, agência pioneira do ramo de digital influencers.

Barbera conta que, frente à demanda de grandes marcas por parcerias em mídias sociais, a iFruit decidiu fechar seu próprio casting interno de influenciadores para oferecer para o mercado.

3 – Análise de comportamento

As mídias sociais também são um verdadeiro banco de dados a céu aberto. Além das informações fornecidas para a criação de um perfil, os usuários deixam rastros por meio de postagens, curtidas, compartilhamentos e outras interações que permitem analisar seus hábitos de consumo e programar ações de marketing personalizadas. “O crescimento de aplicações Big Data abre caminho para o desenvolvimento de soluções cada vez mais inteligentes e efetivas para se aproximar do consumidor”, afirma Bruno Gianelli, sócio-diretor da Betalabs, empresa especializada em plataforma de gestão para o comércio eletrônico.

Exemplo disso são as notificações de push por navegador ou aplicativo. Essa tendência tem se consolidado diante de um número crescente de sites e apps que disponibilizam o envio de notícias ou novidades sobre produtos para toda sua base de usuários, de acordo com o especialista.

4 – Posts patrocinados

Uma estratégia de marketing fundamental para uma marca atingir seu público, e, mais que isso, atrair nova clientela, são os posts patrocinados nas mídias sociais. “O conteúdo patrocinado é fundamental para a marca alcançar um público específico para seu segmento. Através de campanhas patrocinadas, conseguimos definir o raio de alcance da divulgação, além de faixa etária, sexo, dentre outros filtros finos para geração de novas ações”, diz Thiago Regis, diretor de novos negócios da agência de marketing digital Pílula Criativa.

Ele reforça que, no caso de empresas de pequeno e médio porte, é estratégico investir em publiposts, conteúdos compartilhados em outros perfis e campanhas patrocinadas.

5 – Relacionamento e Customer Experience

Além de ser um espaço para produção e divulgação de conteúdo, a mídia social também é um canal ideal de relacionamento com o cliente. Pelo conceito de Customer Experience, não basta apenas vender um bom produto para agradar o consumidor, mas oferecer uma experiência que vá além da venda para que ele se lembre da marca e siga se relacionando com ela. De acordo com a Mutant, empresa brasileira com foco em Customer Experience, para se comunicar com o cliente, a marca precisa conhecer o seus hábitos e suas necessidades, além de acompanhá-lo fora do ambiente de compras.

As redes sociais criam essa oportunidade de contato que amplia a experiência do usuário. Esse relacionamento impacta no nível de satisfação do cliente, gerando engajamento e fidelidade com a marca.

http://adnews.com.br/social-media/5-maneiras-das-marcas-interagirem-nas-redes-sociais.html