Arquivo mensal: julho 2016

Fundadora da Sóbrancelhas investe em cuticularia e cria rede Beryllos

Nova rede de beleza para as unhas abre mão do alicate e aposta em mini esmaltes com apenas 4 ml para evitar possível contaminações. Franquia está disponível em dois formatos

Por Roberta Moraes | 18/07/2016

Chega ao mercado a rede de franquias Beryllos, que aposta em técnica inovadora de cuidado com as unhas sem o uso de alicates. Criado pela empreendedora Luzia Costa, fundadora da rede Sóbrancelhas, a marca traz um novo conceito para o setor de beleza ao utilizar mini esmaltes com 4 ml, que afasta qualquer possibilidade de contaminação e a cliente pode levar a embalagem para casa. As cutículas são afastadas com a ponta diamantada odontológica adaptada. A nova empresa carrega a assinatura “Suas mãos tratadas como joia”, em referência ao nome que faz relação com pedras preciosas.

Lançada em julho, a primeira unidade da marca está no Taubaté Shopping, no interior de São Paulo. O objetivo da empreendedora é, ao longo do tempo, estar presente em todos os Estados brasileiros, assim como ela fez com a Sóbrancelhas, marca que prevê atingir 300 unidades até o fim deste ano. A expansão da empresa também se dará por meio do sistema de franquias.

A marca oferece dois modelos de negócio: loja em shopping center ou quiosque. Um dos principais diferenciais é o formato das lojas, cuja arquitetura representa um vidro de esmalte. Na operação por meio de quiosque, o investimento inicial é de R$ 142,3 mil. Já o aporte para abrir a unidade em um shopping center é de R$ 230,1 mil. Ambos os valores incluem capital de giro, taxa de franquia, estoque inicial de produtos, além de treinamentos, entre outros benefícios ao franqueado. Há perspectiva de retorno do investimento no prazo de 12 a 18 meses.

Beryllos, Sóbrancelhas, Beleza, Franquia

Beryllos, Sóbrancelhas, Beleza, Franquia

Beryllos, Sóbrancelhas, Beleza, Franquia

Beryllos, Sóbrancelhas, Beleza, Franquia

https://www.mundodomarketing.com.br/ultimas-noticias/36524/fundadora-da-sobrancelhas-investe-em-cuticularia-e-cria-rede-beryllos.html

Tudo que você precisa saber sobre Pokémon Go

 

14 de Julho de 2016 11h – 

pokemon

Se você não passou os últimos dias preso em uma caverna com certeza deve saber o que é (e o que está causando) o Pokémon Go. O jogo para smartphone lançado pela Nintendo a menos de um mês virou febre no mundo todo, colecionando recordes de usuários e histórias bizarras.

Como ainda não está disponível oficialmente por aqui, os brasileiros estão acompanhando as notícias de perto, alguns ansiosos pela chegada do game de geolocalização, outros ainda tentando entender porque exatamente Pokemón Go é o assunto do momento.

Para aqueles que fazem do segundo grupo, o site The Verge criou um vídeo de nove minutos para resumir tudo que você precisa saber sobre o game. São dicas, truques e algumas informações básicas sobre o Pokemón Go.

Assista:

Uber distribui picolés gratuitamente nesta sexta-feira (15)

15 de Julho de 2016 09h – Atualizado às 09:14

popscicle

Uma parceria entre Uber e Diletto promete deixar a sexta-feira mais doce para os usuários de seis cidades no Brasil. A ação global #UberIceCream vai distribuir sorvete de forma gratuita durante a tarde de hoje (15) em São Paulo, Campinas, Curitiba, Goiânia, Brasília e Porto Alegre. Essa é a 5ª edição da campanha que conta com a participação de 400 cidades em 69 países ao redor do mundo.

Para participar, é necessário abrir o aplicativo entre 11h e 15h, inserir a localização e selecionar a opção “Uber Ice Cream”. Caso haja um carro participante da promoção próximo ao local em que o usuário está, o motorista entrega três picolés Diletto de graça em alguns minutos.

A ação durará por tempo limitado ou enquanto durarem os estoques de cada cidade. Se não houver carros disponíveis no momento da sua solicitação, a orientação do Uber é que uma nova tentativa seja feita em alguns minutos.

Vale lembrar que para participar não é necessário solicitar nenhuma corrida ou pagar qualquer taxa. Basta dar a sorte de ter um parceiro da rede pela região em que está e aguardar a chegada da sobremesa

http://adnews.com.br/negocios/uber-distribui-picoles-gratuitamente-nesta-sexta-feira-15.html

 

Snapchat: a cara dos millenials

11 de Julho de 2016 15h – Atualizado às 15:32

snap

Conectado, visual, instantâneo e autêntico. Esses são apenas alguns dos adjetivos utilizados para caracterizar os millenials, grupo de jovens entre 16 e 24 anos que estão no foco da publicidade. Conhecidos por serem heavy users de redes sociais, uma delas em especial consegue reunir esses atributos e se tornou a marca desta geração: o Snapchat. O aplicativo de compartilhamento de imagens e vídeos cresce de forma exponencial em todo o mundo e vem se tornando obrigatório no plano de comunicação de uma marca que deseja aumentar sua presença digital.

Criada em 2011 por Evan Spiegel, Bobby Murphy e Reggie Brown, a rede social estourou em 2015 graças à participação maciça dos adolescentes. De acordo com pesquisa realizada pelo banco de investimentos Piper Jaffray, dos EUA, o Snapchat lidera a preferência dos jovens, com 28%, superando até mesmo o Instagram, até então líder e que tem agora 27%. Além disso, levantamento da Bloomberg mostra que há mais de 150 milhões de usuários ativos por dia utilizando o app, índice que superou recentemente o Twitter, outro ex-queridinho da web. No total, já são mais de 10 bilhões de vídeos visualizados diariamente dentro da plataforma.

Apesar do crescimento vertiginoso e de algumas marcas já explorarem o Snapchat com a criação de conteúdos exclusivos, ainda há um grande espaço para empresas – o que certamente vai impactar positivamente na evolução deste canal como ferramenta de marketing nos próximos meses. O app permite uma maior proximidade com o seguidor e apresenta uma nova forma de se comunicar e interagir com o público (indo ao encontro das peculiaridades da Geração Y e Z). Com ele, as marcas podem apresentar novidades, oferecer informações extras e até mesmo realizar promoções para engajar um novo público.

Para conseguir esse objetivo, um bom recurso corporativo é utilizar influenciadores digitais. Eles podem realizar “lives” (transmissões ao vivo) de eventos, mostrar detalhes de shows, trazer dicas ou até apresentar novos produtos e coleções para um novo público-alvo. Mas, vale lembrar, estamos falando de uma rede social dominada por jovens, exigindo que a comunicação seja alegre, criativa e inovadora. Os influenciadores já possuem essa linguagem e conseguem conversar com esta faixa etária de forma natural e autêntica, facilitando a transmissão da mensagem.

Enquanto a tecnologia avança e o mundo tende a ficar cada vez mais conectado, as marcas precisam absorver e entender rapidamente as novas características dos consumidores. Hoje, o jovem busca uma comunicação ágil, eficiente e divertida. Para isso, é necessário estar presente nas redes e canais que este público consome. Só assim é possível conversar, engajar e transformá-lo em possíveis clientes.

* Alessandro Visconde, sócio e CEO da iFruit

http://adnews.com.br/adarticles/snapchat-cara-dos-millenials.html

Storytelling: como contar uma boa história pode ajudar sua pesquisa de mercado

06 de Julho de 2016 12h –  

storytelling

Storytelling nada mais é do que a prática de se contar uma boa história. Nos últimos anos, o termo ganhou relevância nas mais diferentes áreas: na publicidade, no marketing, no varejo, na indústria de games e em todos os lugares os profissionais estão preocupados em encontrar formas de reter a atenção do seu interlocutor e ser relevante para ele.

Quem gosta de ler, sabe o prazer de não conseguir largar um livro. Aquele desejo de ler “só mais um capítulo” para saber o que vai acontecer com aquela personagem, que é apenas uma obra de ficção descrita com palavras no papel, mas que nos identificamos tanto e já amamos como se fosse um amigo ou alguém da família. Torcemos pelo herói, sofremos pelo vilão e ficamos loucos para saber o fim daquela história. O objetivo do storytelling é causar essas mesmas emoções na pessoa que está consumindo seu conteúdo.

Em um mundo em que o excesso de informações e distrações é constante, não há nada mais natural do que as pessoas buscarem formas de se destacar e encontrar uma maneira do seu conteúdo ser mais atraente do que os demais. Um dos grandes desafios, hoje, é conseguir prender a atenção do seu interlocutor até o fim daquilo que você está oferecendo para ele, seja um texto, um vídeo ou um infográfico.

Existem diferentes formas de se fazer relevante e o storytelling consiste em identificar qual é a mais apropriada para o seu conteúdo e aplicá-la na prática: humor, sensibilização, emoção, drama, identificação pessoal – vale tudo. O que importa, para atingir relevância, é encontrar os meios para que a sua história se torne única e envolvente, criando proximidade e conexão.

O storytelling tem sido muito usado em campanhas publicitárias, em ações virais na internet, em embalagens de produtos, em apresentações internas da empresa, nos conteúdos de marketing digital e em diversas outras áreas do marketing. Mas os mesmos conceitos e técnicas podem ser aplicados na sua pesquisa de mercado, tanto na hora de criar o seu questionário quanto para fazer uma apresentação dos resultados.

Para fazer uma pesquisa de mercado online, você precisa conquistar a sua audiência, ou seja, os seus respondentes, para que eles se mantenham interessados e engajados para responder o questionário até o fim. Neste caso, você não irá criar um herói ou contar uma história com drama e emoção, mas existem alguns artifícios do storytelling que você pode aplicar na sua pesquisa para se tornar relevante, aumentar a taxa de resposta e também a qualidade das respostas, já que os entrevistados estarão mais interessados e motivados a responder.

Seja coerente

Já terminou de ver um filme com aquela sensação de que você não entendeu nada? Personagens entram e desaparecem da história sem nenhuma explicação, o filme tem tantos flashbacks que você nunca sabe se está no presente ou no passado e as cenas parecem estar jogadas, sem nenhuma conexão? Filmes incoerentes nos deixam com uma interrogação na cabeça, e se a gente precisa fazer muito esforço para conseguir acompanhar a história, dá preguiça e paramos de prestar atenção.

Um questionário confuso, em que as perguntas aparecem de forma aleatória e que muda de assunto de uma hora para a outra, vai gerar a mesma preguiça no seu respondente, e a taxa de desistência vai ser muito maior do que a de um questionário coerente.

Sempre faça um texto de introdução no seu questionário, antecipando quais os temas que serão abordados e explicando porque aquela pesquisa está sendo realizada. Ao entender a importância do tema, o entrevistado se sente parte, entende a sua missão ao responder àquelas perguntas e estará mais motivado.

Agrupe as perguntas por tema. Assim, se você está fazendo uma pesquisa de satisfação, por exemplo, faça todas as perguntas relativas ao atendimento juntas, em seguida todas relacionadas ao produto, e assim por diante. Lembre-se de estabelecer uma sequência que faça sentido para o entrevistado, ou seja, evite começar com perguntas relacionadas às formas de pagamento, para depois perguntar “como você conheceu a minha loja?”

Além disso, sempre que necessário, inclua textos entre as questões, explicando a mudança de tema e, o mais importante de tudo, tenha certeza de que o texto das questões e das alternativas de respostas está coerente. Para isso, basta testar o seu questionário antes de enviá-lo para as pessoas que vão respondê-lo.

Converse diretamente com seu público-alvo

Se a sua marca é voltada para a terceira idade, não adianta você querer criar uma ação linda de storytelling no snapchat, uma rede social essencialmente mais jovem. Da mesma forma, a linguagem do seu questionário não vai ser a mesma que aquela que você faria com um público até 25 anos (e se você acha que a terceira idade não está na internet e não responde pesquisas online, está na hora de rever seus conceitos).

É muito importante ter em mente quem é o público-alvo da sua pesquisa na hora de construir o seu questionário, assim você pode se comunicar diretamente com ele, com uma linguagem apropriada e exemplos pertinentes para os seus respondentes.

Aposte em recursos multimídia

Uma imagem vale mais do que mil palavras, certo? Não se esqueça então que você pode usar vídeos e imagens para ilustrar seus questionários. Ao invés de tentar descrever uma ação, mostre. Quer saber o que as pessoas acham de uma campanha? Exiba o vídeo e pergunte. Vídeos e fotos ajudam a obter respostas mais precisas e tornam seu questionário mais dinâmico e interativo, aumentando o engajamento de quem for responder.

Tenha um objetivo claro

Sabe quando você termina de ler um texto ou ver um vídeo na internet e fica com aquela sensação de tempo perdido? Aquele conteúdo não acrescentou nada na sua vida, pois não tinha nenhuma informação nova, não despertou nenhuma emoção, não tinha nenhum objetivo.

A sua pesquisa não pode ser como um conteúdo vazio. Ela precisa ter um objetivo claro para existir e este é o primeiro passo para sua pesquisa ter sucesso. Por isso, só comece a criar o seu questionário depois de definir o objetivo da sua pesquisa.

Como contar uma boa história sem enrolação?

Ninguém mais tem tempo a perder, por isso, um dos principais preceitos do storytelling é ser objetivo. Alguns especialistas afirmam que uma das primeiras perguntas que você precisa fazer é: “qual a maneira mais curta de contar a minha história?”

Um bom questionário também precisa ser objetivo. Você não quer que o seu entrevistado desista no meio da pesquisa, e nem quer gastar tempo analisando respostas que não valem para nada. Por isso, tenha foco na objetividade, tanto no número de questões que você irá colocar no questionário quanto na construção dos enunciados das questões.

Apresentação dos resultados

Normalmente, após a realização de uma pesquisa, é necessário apresentar os resultados para outras pessoas, seja a diretoria da empresa, seu cliente ou sua equipe interna. Com o storytelling você pode ir além. Conte uma boa história, seja através da emoção, do humor ou de um personagem bem construído.

Quer ver uma sugestão bacana? Você fez uma pesquisa de satisfação e vai apresentar os resultados para os seus diretores. Crie dois personagens, a Maria, que representa os satisfeitos, e o João, que representa os insatisfeitos. Descreva os dois personagens, conte porque a Maria gosta da marca e qual foram as principais experiências negativas que o João teve e cite frases da Maria e do João com base nas respostas abertas da pesquisa. Dê asas a sua imaginação e as boas histórias virão.

Daniela Schermann, líder de marketing do Opinion Box

http://adnews.com.br/adarticles/storytelling-como-contar-uma-boa-historia-pode-ajudar-sua-pesquisa-de-mercado.html

Como as novas regras publicitárias irão impactar nas Olímpiadas Rio 2016

06 de Julho de 2016 15h – Atualizado às 15:08

phelps

Até a última edição dos Jogos Olímpicos, só os patrocinadores oficiais podiam anunciar no período dos jogos. Os atletas eram impedidos de postar em redes sociais sobre outras marcas e elas não eram autorizadas a divulgar os competidores olímpicos que já tinham contratos de anúncios com elas.

Desde fevereiro de 2015, o COI (Comitê Olímpico Internacional) busca alterações a estas regras. Em junho do mesmo ano, mudanças foram aprovadas. Agora, os atletas podem postar e estrelar campanhas que não mencionem explicitamente as Olímpiadas. Qualquer propriedade intelectual da celebração também é proibida. Palavras como “2016”, “Rio”, “jogos” e “ouro”, por exemplo, não são aceitas.

Porém, mesmo com essa abertura, os patrocinadores não oficiais ainda enfrentam certas dificuldades, pois algumas restrições continuam. A principal delas é que as campanhas tem que ser aprovadas até janeiro e podem ser veiculadas de março até agosto.

Mesmo com este empecilho muitas empresas têm conseguido um espaço muito maior do que tinham antes. Um bom exemplo é o da companhia de roupas esportivas Under Armour, que tem contrato com 250 esportistas que irão aos jogos, inclusive Michael Phelps.

Com o mote “Prove Yourself”, a marca fez campanhas emocionantes, uma com o time feminino de ginástica americano e outra, ganhadora de Cannes, com Phelps, o maior medalhista da história. No vídeo, é mostrado como o campeão treina para suas últimas competições e sua derradeira despedida.

Estas ações mostram como é possível se beneficiar do relaxamento restritivo. No entanto, pequenas empresas ainda enfrentam problemas. Analistas acreditam que organizações menores deveriam ver esta abertura como uma oportunidade

“Ela ainda vai ser difícil para um pequeno player. É difícil e custoso contratar um atleta renomado, contudo há centenas de esportistas que precisam de qualquer tipo de investimento e, atualmente, além de auxiliá-lo, é possível pensar em campanhas com ele”. Disse Zaileen Janmohamed, vice-presidente de serviços ao cliente da GMR agência de marketing esportivo

http://adnews.com.br/negocios/como-novas-regras-publicitarias-irao-impactar-nas-olimpiadas-rio-2016.html

Snapchat lança galeria para salvar fotos e vídeos

07 de Julho de 2016 09h –

memoriessnap

Na última quarta-feira (6), o Snapchat anunciou uma atualização que pode mudar uma das principais características da plataforma: de ser “efêmera”. O novo recurso, que ganhou o nome de “Snapchat Memories”, funciona como uma galeria que armazena de forma permanente alguns snaps, tornando possível o acesso a eles mesmo depois do prazo de 24 horas. O usuário pode salvar ou não um conteúdo na galeria no momento em que ele é criado.

O acesso à seção acontece na tela da câmera do aplicativo, no momento em que o usuário a desliza para cima. A ferramenta parece ser ideal para quem quer guardar fotos e vídeos de um momento para serem exibidos posteriormente, no caso de uma viagem, como no próprio exemplo utilizado no filme de apresentação divulgado pela rede.

O conteúdo salvo no Memories pode ser publicado posteriormente como “história”, espécie de linha do tempo do app, ou de forma privada para algum contato. A exibição será basicamente a mesma dos snaps convencionais, exceto pela existência de uma borda que surge para indicar que aquele snap não for tirado naquele momento. A edição da foto ou do vídeo antes do envio, adicionando legendas ou emojis, por exemplo, também será possível.

Outra novidade é o recurso “My Eyes Only”. Como o próprio nome sugere, a opção restringe a visualização dentro do Memories, protegendo o conteúdo com senha. Desta forma, caso o usuário queira mostrar sua galeria para um amigo, mas não queira que ele veja aquele snap específico, ele pode bloquear a visualização.

A busca dentro do Snapchat Memories é semelhante a que acontece no Google Fotos. O algoritmo usado encontra os snaps a partir de palavras-chave, como locais, objetos ou animais.

O recurso deve ser liberado para todos os usuários da rede social em agosto. Uma notificação será enviada pelo aplicativo informando a liberação da ferramenta. Enquanto ela não chega, confira abaixo o video de apresentação: