Arquivo mensal: abril 2015

Edição comemorativa da ELLE reflete leitor na capa

29 de abril de 2015 · Atualizado às 15h52

Para a capa que marca seus 27 anos, a ELLE passou longe das superproduções mirabolantes, comuns em edições comemorativas. No exemplar de maio, a revista resolveu homenagear as mulheres comuns.

Com uma ideia simples e criativa, a capa é feita de um material espelhado que reflete a leitora que a estiver segurando. A chamada #VocêNaCapa, convida a todas a “estrelarem” a edição e compartilharem em suas redes sociais.

“Mais do que um case, trata-se de uma causa que estamos defendendo de que toda mulher tem sua beleza e que, portanto, merece estar na capa. A ideia é realmente homenagear quem está no centro da moda: as mulheres”, afirma a diretora de redação, Susana Barbosa.

Disponível para assinantes e bancas, as capas foram produzidas manualmente, uma a uma. Para quem tem a assinatura da edição digital no iPad poderá se fotografar na capa e postar a imagem nas redes sociais com a mesma hashtag.

As ações para promover esta edição vão além do papel. Profissionais  do segmento de moda, celebridades e formadores de opinião estão recebendo um espelho exclusivo com a capa de ELLE para participarem da ação. Também haverá uma ação interativa na avenida Paulista, onde as pessoas poderão tirar selfie com a capa.

Redação Adnews

http://www.adnews.com.br/midia/edicao-comemorativa-da-elle-reflete-leitor-na-capa

HBO faz “contagem regressiva” para Game Of Thrones em outdoor

Ninguém mais dúvida do sucesso de Game Of Thrones. A série lidera em números de audiência e de pirataria, além de movimentar o mercado publicitário, servindo de inspiração para diversas campanhas.

A própria HBO faz questão de criar diferentes ações para divulgar os inícios de temporadas. Como quando tatuou mais de 100 fãs na Comic-Con, ou quando recriou a Muralha com uma imensa pintura 3D em uma rua de Londres.

Agora, para promover a 5ª temporada, a produtora instalou uma contagem regressiva em um outdoor digital. Em cada uma das seis peças, a mão de um personagem apareceu para “contar nos dedos” os dias da volta da série.

O engraçado é ver que o número de dias corresponde à quantidade de dedos ou ao formato da mão que cada um realmente tem na série (alguns, vítimas de amputação ao longo da história).

Em ordem decrescente, entraram na brincadeira Daenerys Targaryen, o dragão Drogon, John Snow, um caminhante branco, Davos Seaworth e Jaime Lannister.

Confira as peças:

Redação Adnews – 28 de abril de 2015

http://www.adnews.com.br/publicidade/hbo-faz-contagem-regressiva-para-game-of-thrones-em-outdoor

Interações sociais, música e mobile. Por Diana Leiko

O celular foi fundamental para as ações que ocorreram na última edição do Lollapalooza

Interações sociais, música e mobile. Por Diana Leiko

POR DIANA LEIKO, gerente de comunicação digital da Santafé Ideias
O mobile marketing veio para ficar e as plataformas móveis são a confirmação daquilo que o sociólogo canadense Marshall McLuhan prenunciou há mais de 50 anos: “o meio é a mensagem”. Segundo ele, é mais importante o veículo através do qual a mensagem é transmitida, isto é, o meio, do que o conteúdo em si da mensagem.

Durante o festival Lollapalooza, uma infinidade de ações digitais rolaram nos dois dias do evento. E o nosso querido celular foi fundamental para potencializar os resultados das ações de marketing. Isso não foi à toa, afinal, as plataformas mobile provocaram profundas mudanças nos hábitos de consumo e no comportamento dos consumidores.

Dados recentes divulgados em pesquisa realizada pelo Interactive Advertising Bureau (IAB) informam que o principal destaque do estudo de 2014 foi o crescimento no uso de dispositivos móveis em todas as esferas. Para se ter uma ideia, smartphones se tornaram o principal dispositivo eletrônico pessoal dos brasileiros em 2014, de acordo com a pesquisa Brasil Conectado – Hábitos de Consumo de Mídia.

O estudo aponta ainda que o uso crescente da internet está ligado ao aumento de importância que smartphones e tablets ganharam em várias situações do dia a dia. Por exemplo, 3/4 dos consumidores brasileiros usam seus smartphones para atividades relacionadas a interações sociais e cerca de metade utiliza para busca de músicas e notícias.

Para quem está ligado no constante desafio de se comunicar em uma era de convergências como a atual, as estratégias visando o mercado mobile não podem ficar de fora. E foi nisso que as grandes empresas do festival apostaram: tivemos a Skol, cerveja oficial do Lollapalooza, que criou um espaço inspirado em antigos parques de diversão, com direito a shows e arquibancada com vista privilegiada para o Palco Skol. Criou ainda a cerveja Skol Stage, especialmente para o festival. De quebra, levou uma fábrica de vinil que permitia aos visitantes do espaço gravar os hits das bandas que já tocaram no Lollapalooza e dos artistas do selo Skol Music. Resultado? Fila para entrar. E um tanto de posts nas redes sociais, claro. Graças a quem? Ao celular.

Espaço Chevrolet Onix levou uma montanha-russa. Não no mesmo nível dos parques da Disney, mas o suficiente para formar fila de uma hora de espera, no primeiro dia do evento. A marca investiu ainda em live painting do grafiteiro Elvis Mourão e teste de chave (se o carro ligasse, a pessoa poderia assistir ao show da sua banda preferida com a cara no palco). Para as meninas, maquiagem e tatuagem de graça. No espaço – em frente ao palco Onix (batizado com o nome do carro da Chevrolet exposto no festival) – era possível ainda carregar o celular e usar a internet de graça. E mais selfies e uma infinidade de posts e comentários nas redes sociais. Graças a quem? Ao celular.

Já a Axe transformou o público em pôster do festival. Criou o Frontman Giant Poster, um espaço gigante próximo ao palco Axe, que permitia a pessoa sentar em cima de um letreiro com as principais atrações do Lollapalooza e virar um pôster da edição 2015 do evento. Fila também. Ainda investiu em embalagens gigantes da Axe, localizadas em frente ao palco de mesmo nome da marca, que permitiam fotos selfie com uma visão privilegiada do show. Mais fila. E um tanto de postagens nas redes. Quem permitiu isso? O celular.

Um parênteses aqui. Ao procurar as bandas do festival no YouTube, me deparei com vídeo da campanha da Axe no Lollapalooza. Sem opção de pular após alguns segundos.

Sempre Livre montou estúdio de make-up no Sempre Livre Lolla Lounge (espaço vip). No “backdrop mosh”, a pessoa podia fazer fotos como se estivesse se jogando no público do festival. E postar nas redes. Olha o celular aqui de novo! Outra ação digital bastante efetiva foi convidar blogueiras para filmar e comentar os shows em seus sites. O conteúdo também foi para a página da Sempre Livre no Facebook.

Ray-Ban Expression permitiu estampar sua frase favorita em uma camiseta exclusiva. Você podia também criar gif animados usand Ray-Ban pra compartilhar nas redes. Por meio de qual dispositivo? Do celular. Na área vip, promotores circularam com produtos para experimentação e para estimular que o público fizesse selfies com filtros especiais. Quem aparece aqui de novo? Nosso amigo celular.

Lá em cima, num ponto não muito privilegiado, estava a C&A com seu Fashion Truck. Ainda assim, quando cheguei perto, estava cheio. Visitantes podiam fazer um penteado e make no “estilo” festival, além de aplicar uma golden tattoo. De quebra, as roupas podiam ser customizadas. Quem conseguisse entrar no caminhão, também podia montar sua banda e criar a capa de seu primeiro disco ao participar do Lollapalook. Celular para registrar tudo aqui.

A Pepsi trouxe o Pepsi Live Sound. Uma lata gigante com iluminação em LED impossível de não ser percebida. Dentro, um palco para quem quisesse soltar a voz e experimentar a vida de rockstar. Vídeos e fotos produzidos por celulares comeram solto!

Saindo das ações que estavam acontecendo dento do autódromo de Interlagos, existe hoje o fenômeno da segunda tela. Enquanto as pessoas acompanhavam de casa a transmissão dos shows, tuitavam ou postavam comentários no Facebook. Aproximadamente 3/4 dos usuários de internet no Brasil, ainda segundo a pesquisa realizada pela IAB, usam pelo menos um dispositivo – notebook, smartphone e tablet – enquanto assistem TV.

Se antes McLuhan dizia que os meios eram extensões do homem, hoje podemos afirmar, se tratando do celular, que ele o é. Basta sair de casa sem o aparelho para termos a certeza disso. Virou extensão do nosso corpo, nossa ligação com o mundo real e físico e mudou tanto o comportamento individual e em grupo, que há quem diga que já não sabemos distinguir o que é real e virtual. Em tempos em que o acesso à internet se dá mais por dispositivos móveis do que por desktops, o Lollapalooza deu um verdadeiro show, não nos palcos, mas em suas ações digitais. E que venha 2016!

27/04/2015

http://www.proxxima.com.br/home/conectados/2015/04/27/Interacoes-sociais-musica-e-mobile-Por-Diana-Leiko.html

Ação distribui livros que funcionam como bilhete do metrô em São Paulo

Em uma cidade como São Paulo, onde um trajeto pode significar horas no trânsito ou de espera em estações, ler no transporte público é um hábito comum e, por sinal, muito saudável.

Para estimular a leitura no metro, a editoria L&PM aproveitou o Dia do Livro para unir estes dois elementos que fazem parte do dia-a-dia de muitos paulistanos. Durante a manhã de hoje, passageiros da linha 4-Amarela foram presenteados com diferentes clássicos da literatura.

Os títulos fazem parte do portfolio da editora, são eles: A Arte da guerra, Sun Tzu; Assassinato no Beco, Agatha Christie; Hamlet, William Shakespeare; Cem sonetos de amor, Pablo Neruda; Cebolinha em apuros!, Mauricio de Sousa; Garfield –”Foi mal”, Jim Davis; O grande Gatsby, F. Scott Fitzgerald; Quintana de bolso, Mario Quintana; Sherlock Holmes: O cão dos Baskerville, Sir Arthur Conan Doyle e Peanuts: “Amizade. É pra isso que servem os amigos”, Charles M. Schulz.

Foram 1.500 livros distribuídos gratuitamente. Destes, 300 traziam uma surpresa: funcionam como bilhetes do metro. Criados especialmente para a ação, os Ticket Books possuem um chip em suas capas com tecnologia equivalente a do Bilhete Único, tornando-os recarregáveis.

A ideia é que a obra seja lida durante os percursos de cada passageiro. Basta encostar o livro na catraca, para a entrada ser liberada. Depois de ler, o usuário pode recarregar seu livro e presentear um amigo, estimulando o prazer da leitura.

Para comprar novas passagens basta acessar o site do projeto e inserir o código do portador do livro disponível na contracapa. O Ticket Book não tem prazo de validade e pode ser recarregado sempre que a pessoa desejar.

Assinadas pelos diretores de arte Ricardo Matos e Ana Novis, as capas foram criadas especificamente para o projeto e inspiradas em mapas do metrô de diversas partes do mundo.

Ficha Técnica:

Título: Ticket Books

Clientes: LP&M

Agência: Africa Rio

Criação: Ana Novis, Otto Pajunk e Ricardo Matos

Direção de Criação: Diogo Mello

VP de Criação: Álvaro Rodrigues

CCO: Sergio Gordilho

Gerente de Projetos: Monique Lima

Produção/Agência: Marcela Nisental

Produção Gráfica: Forma Certa

Tecnologia:  Bizsys

Produção/Filme: Trator Filmes

Direção: Will Mazzola

Aprovação/Cliente: Ivan Pinheiro Machado

Redação Adnews – 23 de abril de 2015 · Atualizado às 14h59

http://www.adnews.com.br/publicidade/acao-distribui-livros-que-funcionam-como-bilhete-do-metro-em-sao-paulo

SBT coloca food truck “em chamas” nas ruas de São Paulo

Neste sábado (25) estreia a segunda temporada de “Cozinha Sob Pressão”, reality de culinária comandado pelo chef Carlos Bertolazi.

A área de marketing do SBT e a agência Publicis Brasil criaram duas ações de ativação do programa, que acontecem na cidade de São Paulo durante a semana de estréia. A ideia principal da campanha é fazer com que o público “sinta na pele” o clima da nova temporada do reality.
Um food truck “em chamas”, simuladas por meio de um enorme painel de led, percorre as ruas da capital paulsita, chamando a atenção para a versão brasileira do programa americano “Hell’s Kitchen”.
Ao percorrer as principais vias da cidade, o food truck fará paradas para promover ações junto ao público. Na dinâmica, as pessoas que postarem fotos dentro do caminhão em suas redes sociais, marcando a hashtag “#sobpressão”, serão presenteadas com um sanduíche gourmet.
Além do caminhão “tomado pelo fogo”, a campanha conta com 60 abrigos de ônibus com painéis 3D interativos espalhados pela cidade. Neles, é possível interagir com as facas do chef, que estarão fincadas na madeira, com um convite para pessoas se posicionarem entre elas e tirarem uma foto com a hashtag do programa. Visualmente, a ideia é sugerir que as facas foram arremessadas em direção da pessoa, contornando sua silhueta.
O food truck da campanha circula nesta sexta-feira (24) e no sábado (25), das 15h às 21h. O intinerário completo está disponível no site da emissora.
Redação Adnews – 24 de abril de 2015 · Atualizado às 15h51

Métricas e novas tecnologias mudam o jogo a favor para a mídia exterior

A mídia exterior ou Out of Home, sempre teve dificuldades em auditar seu público com precisão – tanto para precificar seus espaços como para comprovar sua eficiência. Talvez por isso, sempre foi considerada uma mídia de apoio. Por outro lado, vemos as mídias digitais ganhando cada vez mais espaço no bolo publicitário porque conferem a agências e anunciantes precisão a eficiência da comunicação.

Mas, agora, a mídia OOH tem um novo e poderoso aliado: as métricas digitais. As poderosas ferramentas analíticas saíram direto da web para os mais diversos pontos da cidade criando para esta mídia uma nova postura e competitividade frente as mídias digitais e outras que entregam precisão em seus resultados, ampliando assim as alternativas de qualquer plano.

Os recursos de contagem de público, identificação de perfil e análise de tempo de leitura da comunicação são apenas algumas das novas vantagens desta grande revolução.

Até pouco tempo, a mídia exterior baseava sua audiência em número de pessoas que circulavam na região em um determinado período, números estes que ficavam defasados rapidamente em função de novas vias, períodos do ano, entre outros fatores externos.

Com as novas tecnologias, o jogo muda. Agora, o OOH pode validar tecnicamente o espaço publicitário e sua eficiência. Além disso, as empresas locadoras podem oferecer com precisão o perfil do público circulante. Mas, a novidades não param somente em contagem.

A avaliação de engajamento também é possível através da quantidade e perfil do público que efetivamente olha para a peça e o tempo médio de leitura.

A captura dos dados acontece de forma digital, por contadores e sensores, que analisam a quantidade de pessoas ou carros que passam no local, assim como o perfil do púbico mais próximo, como na mídia em pontos de ônibus ou estações do Metrô.  O nível de engajamento é levantado a partir da identificação de quanto tempo os espectadores observam a mensagem. Essas informações impactam as agências de publicidade, que podem melhor analisar se sua comunicação chama ou não atenção.

Não é difícil perceber que estas novas métricas possibilitam melhor controle sobre o investimento publicitário quando comparado com outras mídias que ainda dependem de pesquisas constantes ou outros tipos de controle sobre sua audiência, como o rádio, por exemplo.

Em um país onde o investimento no transporte público é prioritário e as pessoas circulam em seus carros num tempo de trânsito cada vez mais, a mídia exterior pode se tornar um poderoso veículo de comunicação com excelente controle de verba e engajamento. Vale a pena ficar de olho.

Ricardo Tucci é head de marketing da Seed. Formado em Comunicação Social com especialização em Branding pela FGV e especialização em Semiótica Psicanalítica pela PUC/SP.

16 de abril de 2015 · Atualizado às 11h23

http://www.adnews.com.br/artigos/metricas-e-novas-tecnologias-mudam-o-jogo-a-favor-para-a-midia-exterior

Chevrolet veicula vídeo dentro de revista impressa

Você já pode ter visto algumas vezes, aqui mesmo no Adnews, alguns exemplos de anúncios que integram de maneira interessante o meio impresso com o digital. Mas será que é possível colocar um vídeo dentro de uma revista de papel? A Chevrolet mostrou que sim.

A nova campanha, que promove a caminhonete Colorado, utilizou um player de vídeo entre as páginas das publicações Esquire e Popular Mechanics. Ao abrir as folhas com o anúncio, o consumidor encontra filmes de curta duração promovendo o carro.

A ação foi desenvolvida pela McCann e reproduzida em 10 mil exemplares de cada um dos títulos citados acima. “Achamos esses filmes digitais tão impressionantes para o lançamento da Colorado que pensamos: por que não colocar o vídeo na impressão?”, disse Jill Mida, gerente da divisão de publicidade para as caminhonetes da Chevrolet.

Agência e anunciante não revelaram os valores, mas admitiram que o custo do anúncio evidentemente foi encarecido com a implementação da tecnologia.

Num cenário cada vez mais complexo para a mídia impressa, revistas, jornais e anunciantes precisam encontrar novas maneiras de se manterem atrativos. Provavelmente colocar vídeos dentro das revistas não parece um caminho a ser replicado com frequência. Entretanto, no caso deste anúncio da Chevrolet, apenas a mídia espontânea gerada com a ajuda da iniciativa atípica já parece ter valido a pena.

Confira o video:

http://bcove.me/c6lycapc

http://www.adnews.com.br/midia/chevrolet-veicula-video-dentro-de-revista-impressa

16 de abril de 2015 · Atualizado às 15h12 – Por Renato Rogenski