Arquivo mensal: dezembro 2009

Primeira unidade verde do McDonald’s na América Latina é inaugurada no Brasil

A unidade em Bertioga, no litoral de São Paulo, conta com a certificação LEED para construções sustentáveis e reduziu seu consumo de água e energia

Fachada da unidade verde do McDonald’s em Bertioga, São Paulo

MC.jpg

O restaurante McDonald’s de Bertioga, na Riviera São Lourenço, litoral de São Paulo, é o primeiro da América Latina a obter a certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), concedida pelo U.S. Green Building Council – organização que reúne representantes dos setores de construção e arquitetura – a empreendimentos que atendam critérios de sustentabilidade no projeto arquitetônico e na construção.

A construção contou com a utilização de tecnologias de baixo impacto ao meio ambiente, destacando a prevenção de poluição, o reaproveitamento de resíduos, o uso de água da chuva e de energia limpa e a utilização de materiais naturais, renováveis, reciclados e de produção regionalizada.

A iniciativa de se enquadrar em padrões sustentáveis veio da parceria do proprietário da unidade, Roberto Pestana, e da operadora da marca McDonald’s na América Latina, Arcos Dourados.

Entre as ações adotadas pelo restaurante está o sistema de captura de água pluvial, para utilização na lavagem de pisos e descargas em toaletes, o que permitiu a redução do consumo de água potável em 50% e em 100% no caso da irrigação dos jardins; o gás das câmaras de refrigeração foi substituído por um modelo que não afeta a camada de ozônio; as peças de madeira utilizam produtos provenientes de áreas de manejo florestal e são certificadas pelo FSC (sigla em inglês para Forest Stewardship Council, ou Conselho de Manejo Florestal, em português).

O McDonald’s de Bertioga também não utiliza CFC no seu sistema de ar condicionado e é munido de um dispositivo que monitora as temperaturas interna e externa do restaurante. Quando necessário, o sistema desliga os aparelhos e abre as janelas automaticamente. Com isso, a carga térmica necessária para a refrigeração é 25% menor.

Ainda como parte do gerenciamento inteligente de energia, o aquecimento de água das torneiras da cozinha e vestiários é feito por meio de energia solar. A grande quantidade de paredes de vidro destaca o uso da luz natural e as luminárias instaladas perto das janelas só acendem quando realmente necessário. Em todo o edifício, é priorizado o uso de lâmpadas LED. Todas essas iniciativas promoveram uma economia de 14% no consumo de energia do empreendimento.

A rede McDonald’s conta com mais dois restaurantes verdes no mundo, em Chicago (EUA) e em Lindora (Costa Rica)

Notícias / sustentabilidade – 17/12/2009

http://revistapegn.globo.com/Revista/Common/0,,EMI111526-17180,00-BRASIL%20GANHA%20PRIMEIRO%20RESTAURANTE%20VERDE%20DO%20MCDONALDS.html

 

Os 20 “mais” de 2010

Os caçadores de tendência da comunidade trendhunter.com apontam 20 comportamentos e preferências que já estão aí e tendem a ganhar força em 2010. Confira.
O site Trendhunter Magazine, alimentado por 30.000 membros de sua comunidade, divulgou, em sua Trendhunter.tv, as 20 maiores tendências de consumo para 2010, as quais organizamos no seguinte ranking:
1ª A próxima melhor alternativa
Moda vintage, alta costura versátil, submarcas e joias acessíveis. Ao longo do último ano, as pessoas se tornaram mais sensíveis ao consumo excessivo e começaram a ligar seu sucesso não apenas ao que é luxuoso, mas também ao que é funcional e tem a ver com experiência de vida. Assim, em vez de comprar o produto mais caro e a melhor marca, as pessoas estão experimentando novos produtos na busca pela melhor alternativa seguinte.
2ª Decoração “faça você mesmo”
Arte, mobília e itens decorativos são produzidos pelos próprios usuários e constituem a solução perfeita para aqueles que estão com pouco dinheiro. Mantenha suas bolas de pingue-pongue, suas garrafas de vinho ou suas jarras de plástico, porque decorar sua casa nunca foi tão acessível e culturalmente aceitável.
3ª Troca-se tudo
Hoje você pode trocar casas, peças de arte, serviços ou mesmo seu guarda-roupa completo. Cidadãos empobrecidos que não querem comprometer seu estilo de vida estão trocando, permutando e comercializando em busca de uma vida melhor.
4ª Ações “pop-up”
Conceitos temporários surgem inesperadamente para atrair consumidores com o apelo de exclusividade e novidade. Vitrines diferentes, bares instalados em contêineres de carga, serviços bancários surpreendentes. É a maneira “pop-up” de rapidamente colocar seu produto em novos mercados.
5ª Moradias nômades
A recessão, somada à arquitetura criativa, criaram um influxo de casas temporárias e únicas. Apartamentos portáteis, casas-barcos futuristas e moradia em cubo são apenas alguns exemplos da vida nômade moderna.
6ª Eco-utensílios domésticos
Lavadora de louças que não usa sabão, mini-máquinas de lavar roupas e pias de cozinha não apenas ajudam o meio ambiente, mas que, ao longo do tempo, levam à economia de dinheiro também, por seu desempenho eficiente.
7ª “Ecóprole”
Pode ser uma morada subterrânea, uma casa flutuante ou nas alturas –os desenvolvimentos “ecoprolitanos” estão rapidamente se tornando um estilo de vida. Além de revitalizar os centros urbanos com elementos ecológicos, as nações estão criando cidades-nichos especificamente para atingir objetivos ecológicos.
8ª “Simpletising” (comunicação com simplicidade)
Embalagens inspiradas em frutas e caixas de leite com úberes. Em um mundo abarrotado de coisas e informações, a clareza visual acaba se destacando. Também se encaixa bem no desejo de uma vida mais simples.
9ª “Emocionologia”
Os humanos não são os únicos com sentimentos; joias, aparelhos telefônicos, listas de músicas e outros aparatos sensíveis às emoções manifestam seu humor fisicamente. Cientistas estão estudando o mundo das emoções e descobrindo como ele pode ser aplicado à tecnologia.
10ª Exposição de vulnerabilidade
As mídias sociais redefiniram nosso acesso à vida pessoal de celebridades e amigos. Agora, vemos de tudo: de mulheres “twitando” na hora do parto até estrelas publicando fotos não-tratadas pelo Photoshop ou que retratam momentos embaraçosos.
11ª Campanhas via crowdsourcing
Envolver o consumidor na criação de comerciais de TV agora se chama crowdsourcing –a inteligência coletiva a serviço da geração de soluções. Os exemplos incluem cartazes, displays de vitrine e até mesmo comerciais de TV.
12ª Marketing saudosista
Motivos de contos de fadas em joias ou anúncios. Alice no País das Maravilhas ou monstros ajudam consumidores a escapar do baixo astral econômico, buscando refúgios em fantasias do passado.
13ª Auto-assistência médica
Chegou a nova era dos cuidados médicos com produtos que ajudam os consumidores a cuidar de sua saúde sem precisarem chamar um médico: medidores de pressão arterial, monitores de fertilidade, relógios que medem o estresse e outros itens que são uma resposta às dificuldades experimentadas com os serviços públicos de saúde.
14ª Exigente sim, chato não
Anos atrás, vimos alimentos importados como o tofu saírem da categoria de exóticos para entrarem no uso comum. Agora, vemos a proliferação de alimentos que servem necessidades únicas, como os isentos de glúten ou os vegetarianos. Não é mais chato ser “enjoado”.
15ª Produtos pró-dependência
Os casais da nova geração já tendiam a andar mais juntos do que os de gerações passadas. A crise do crédito aumentou a demanda por produtos a favor da dependência, como as tatuagens separadas (uma em cada pessoa) que se combinam para formar um desenho, copos que se complementam e decoração compartilhada –tudo reforçando a condição de casal.
16ª Traje “metade formal”
É a mistura de peças de roupas formais com descontraídas, num visual híbrido adotado por jovens profissionais: shorts com blazers e paletós com jeans, por exemplo.
17ª Cultura do aluguel
Artigos de luxo, roupas, brinquedos e objetos de arte são pequenos exemplos de um mundo de itens que podem ser alugados. O movimento teve início em 2008, mas a recessão acelerou a busca por posse temporária, status de mentira e muitas permutas.
18ª Empavonar-se
A graça é aparecer tanto quanto um pavão, não necessitando de grifes caras para gritar “Olhe para mim!”. Um antídoto contra a depressão da crise. A receita: cores exageradamente vibrantes em roupas, acessórios e maquiagem.
19ª Compras “sem-serviço”
Os clientes se servem. Em bares, você mesmo tira seu chopp; entre os hotéis, opção self-service. O resultado: economia de dinheiro e senso de independência e controle criativo.
20ª Personalização tangível
Presentes que têm a sua cara. Literalmente. Você estampado em taças ou notas de US$ 1 milhão. A personalização de produtos, já em voga em 2009, agora ultrapassa o segmento de luxo, impulsionada pela crise econômica.

HSM Online – 18/12/2009
http://br.hsmglobal.com/notas/55893-os-20-mais-2010?utm_source=181209_mkt&utm_medium=181209_mkt&utm_content=181209_mkt_os-20-mais-2010&utm_campaign=181209_mkt

Lanchonete coloca foto do cliente no sanduíche para provar que é feito na hora

Ação faz parte de campanha de marketing da rede Burguer King

Da Redação
burger

A filial do Burguer King de Santo Amaro, em São Paulo, fez uma campanha em que a foto do cliente sai estampada na embalagem do lanche, para provar que o sanduíche é feito na hora e da forma que é pedido. A foto também é enviada em tempo real para um banner digital instalado na loja, acompanhada da frase “Comendo agora…”. A agência de comunicação Ogilvy, de São Paulo, é responsável pela ideia.

Notícias / marketing 18/12/2009

http://revistapegn.globo.com/Revista/Common/0,,EMI111595-17180,00-LANCHONETE%20COLOCA%20FOTO%20DO%20CLIENTE%20NO%20SANDUICHE%20PARA%20PROVAR%20QUE%20E%20FEITO%20NA%20H.html